UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: MATHEUS PORTO TRINDADE
29/01/2020 11:43


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MATHEUS PORTO TRINDADE
DATA: 18/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Miniauditório - P2CEM/UFS
TÍTULO: ANÁLISE QUANTITATIVA DE DANOS POR CORROSÃO SOB TENSÃO EM ARAMES DE ARMADURA DE TRAÇÃO DE RISERS FLEXÍVEIS SUBMETIDOS A CORROSÃO POR FRESTAS EM MEIO DOCE
PALAVRAS-CHAVES: Corrosão sob tensão, corrosão por fresta, armadura de tração risers
PÁGINAS: 92
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia de Materiais e Metalúrgica
RESUMO:

A falha de componentes de risers flexíveis pode ocorrer, dentre diversos fatores,
em decorrência do colapso de suas armaduras de tração fabricadas em arames de aço
carbono trefilado. Esses arames possuem elevada susceptibilidade a corrosão a água
oceânica que, quando associada a tensionamento elevado, altas pressão e temperatura,
saturação em CO
2 e ocorrência de frestas, incrementa a propensão a corrosão por pites.
Esse mecanismo de corrosão, denominado corrosão sob tensão associado a corrosão por
frestas em meio doce ocasiona falhas prematuras dos componentes de armadura, o que
desperta grande interesse da indústria petroquímica de produção
offshore. Neste estudo
foi quantificada a influência das frestas entre camada polimérica e metálica, próprias da
região do anular dos dutos
riser, na severidade de corrosão por pites em dois perfis de
arames intensamente deformados a frio de aço carbono distintos. Foram realizados de
imersão, submetendo os arames a flexão em três pontos e expondo-os a solução salina
sob pressão atmosférica (1 bar) e temperatura ambiente (25 ºC) e a 20 bar e 60 ºC.
Avaliou-se posteriormente os efeitos da corrosão puntiforme por microscopia ótica e
espectroscopia Raman. Os ensaios de polarização eletroquímica e imersão a 1 bar e 25 ºC
não apresentaram diferenças significativas. A ocorrência de frestas e energia interna
apresentaram-se como significativo potencializador da corrosão por pites, enquanto que
o teor de carbono não se mostrou distintivo, demonstrado pelas maiores frequência e
profundidade dos pites e disposição dos depósitos de corrosão em amostras com frestas.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2016178 - CARLOS OTAVIO DAMAS MARTINS
Externo ao Programa - 1784426 - JAQUELINE DIAS ALTIDIS
Presidente - 358689 - SANDRO GRIZA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5