UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: ANA JOVINA BARRETO BISPO
24/01/2020 11:09


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA JOVINA BARRETO BISPO
DATA: 18/02/2020
HORA: 08:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU sala 27
TÍTULO: ENVOLVIMENTO PULMONAR NA LEISHMANIOSE VISCERAL HUMANA: AVALIAÇÃO CLINICA, TOMOGRÁFICA E ESPIROMÉTRICA.
PALAVRAS-CHAVES: Leishmaniose Visceral. Doença Pulmonar, Intersticial.
PÁGINAS: 62
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

A leishmaniose visceral (LV) é uma parasitose grave, mundialmente distribuída e potencialmente letal. Por ser uma doença sistêmica, qualquer órgão pode estar acometido e sintomas diversos podem estar presentes. A patogêneses dos sintomas clássicos já foi amplamente descrita, no entanto, ainda existem lacunas relacionadas a outros sintomas frequentes, como os respiratórios. Em décadas passadas, a sintomatologia respiratória já foi creditada à esplenomegalia, às infecções respiratórias e à doença pulmonar intersticial. A presente pesquisa, de natureza observacional e delineamento transversal, descreveu a sintomatologia respiratória, buscou alterações radiográficas e tomográficas de tórax e também determinou a frequência de alterações espirométricas em portadores de LV, trazendo assim conhecimentos mais recentes e objetivos à cerca do comprometimento pulmonar na LV. Participaram do estudo 42 pacientes internados no Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe, no período de janeiro de 2015 a julho de 2018. Houve predomínio de pacientes do sexo masculino e oriundos da zona urbana, metade dos pacientes possuía idade até 10 anos. Sintomas respiratórios estiveram presentes em 49,7% dos pacientes, predominando a tosse seca. A radiografia simples de tórax revelou pneumonia em apenas dois pacientes, enquanto que a tomografia computadorizada de alta resolução de tórax (TCAR) mostrou achados patológicos em mais da metade dos pacientes (59%), predominando opacidades reticulares (19%) e opacidades em vidro fosco (16,6%). Foi encontrada associação entre tosse e alteração tomográfica e observou-se que o tempo decorrido entre o início dos sintomas e o internamento foi maior em pacientes com tomografia alterada. A espirometria mostrou 40% de frequência de alterações funcionais. O distúrbio ventilatório predominante foi o restritivo (21,7%), seguido do distúrbio inespecífico (13%) e do distúrbio obstrutivo (13%). O comprometimento pulmonar na LV fica evidenciado pela frequência de tosse, de alterações tomográficas do tórax e espirométricas. A doença pulmonar intersticial demostrada pelos principais achados tomográficos provavelmente é responsável pelo distúrbio ventilatório mais encontrado, o restritivo, e pela sintomatologia respiratória, já que infecção pulmonar foi pouco frequente.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JOSE BARRETO NETO
Externo ao Programa - 3374138 - MARCO ANTONIO VALADARES OLIVEIRA
Presidente - 426691 - MARIA LUIZA DORIA ALMEIDA
Interno - 285906 - ROQUE PACHECO DE ALMEIDA
Externo à Instituição - Saul José Semeão Santos

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5