UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Junho de 2021


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ELLEN DA COSTA MALAQUIAS
23/01/2020 08:39


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ELLEN DA COSTA MALAQUIAS
DATA: 18/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: A definir
TÍTULO: Dieta e estrutura da rede trófica de morcegos em fragmentos florestais urbanos de Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: Chiroptera; hábitos alimentares; interações tróficas
PÁGINAS: 21
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia de Ecossistemas
RESUMO:

Os morcegos representam um grupo de mamíferos diverso, tanto em características morfológicas quanto comportamentais, refletindo em uma variedade de hábitos alimentares e papéis ecológicos, o que os tornam importantes no funcionamento das comunidades. Alterações na paisagem natural ocasionam a perda e redução de habitats, afetando tanto a ocorrência das espécies no local como também os serviços ecológicos prestados por elas. A ecologia trófica busca compreender, principalmente, as relações predador-presa e as relações mutualísticas animal-planta, sendo esta última amplamente usada para estudos de dispersão de sementes por morcegos. O presente trabalho tem como objetivos identificar a dieta e caracterizar a rede trófica de morcegos em fragmentos florestais urbanos da Grande Aracaju (SE). De setembro/2019 a agosto/2020 a amostragem está sendo realizada em três sítios, bimestralmente durante duas noites por campanha/sítio, utilizando-se redes de neblina. A amostragem ocorre a partir do entardecer e finaliza as 24:00 h, com vistoria das redes a cada 30 minutos. A coleta do material fecal é feita durante o manuseio dos animais, sendo as amostras fecais posteriormente triadas e identificadas em laboratório. A dieta das espécies será avaliada inicialmente através de uma análise de similaridade. As diferenças na dieta entre as espécies e os sexos serão calculadas com o teste t ou teste G. Serão calculadas as métricas de redes tróficas de aninhamento, modularidade, conectância e especialização para a caracterização de sua estrutura. Espera-se que espécies filogeneticamente mais próximas apresentem dietas mais similares entre si e que machos e fêmeas consumam itens em proporções diferentes em decorrência de necessidades nutricionais intraespecíficas. Em relação à rede trófica da comunidade, espera-se um padrão mais próximo do aninhado, comumente encontrado para redes que contém espécies frugívoras que são frequentemente amostradas com o método utilizado.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1819383 - ADRIANA BOCCHIGLIERI
Interno - 1687626 - MARCELO FULGENCIO GUEDES DE BRITO
Interno - 1543186 - RENATO GOMES FARIA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9