UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 14 de Junho de 2021


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: RAMON SOUZA NASCIMENTO
13/12/2019 11:22


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAMON SOUZA NASCIMENTO
DATA: 18/12/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Laboratório de Flavor e Análises Cromatográficas
TÍTULO: CHÁS ANTIDIARREICOS DA CULTURA SERGIPANA: PERFIL DE COMPOSTOS FENÓLICOS, ATIVIDADE ANTIOXIDANTE E USO TERAPÊUTICO ENTRE JOVENS UNIVERSITÁRIOS DE ARACAJU
PALAVRAS-CHAVES: medicina popular, consumo de chá, coco-da-Bahia, folhas de mamoeiro, folhas de umbuzeiro
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Ciência de Alimentos
ESPECIALIDADE: Química, Física, Fisico-Química e Bioquímica dos Alim. e das Mat-Primas Alimentares
RESUMO:

O trato gastrointestinal é habitado por uma variada flora microbiana que pode sofrer alterações, dentre elas, distúrbios como a diarreia, definida pela passagem de fezes liquidas por mais de 3 vezes, num período de 24 horas. Chás são comumente utilizados no tratamento da diarreia e relatos indicam o uso de chá da fibra de coco-da-Bahia (Cocos nucifera L.) no Nordeste brasileiro. Particularmente em Sergipe, o uso de chás de folhas de mamoeiro (Carica papaya L.) e umbuzeiro (Spondia tuberosa) também tem sido constatado. Compostos fenólicos, em especial os taninos, são reconhecidos como agentes antidiarreicos; por isso, a identificação do perfil de compostos fenólicos têm sido utilizada para se avaliar o potencial antidiarreico de plantas potencialmente medicinais. O presente trabalho tem por objetivo identificar o potencial de extratos aquosos de entrecasca do coco verde, de folhas de mamoeiro e de folhas do umbuzeiro, em gerar chás medicinais para tratamento da diarreia, através do identificação de seus perfis de compostos fenólicos e atividade antioxidante. A pesquisa também objetiva identificar os hábitos de consumo de chás caseiros para o tratamento da diarreia, entre jovens universitários sergipanos. Extratos aquosos da entrecasca de coco-da-Bahia, de folhas de mamoeiro e de folhas de umbuzeiro, serão preparados e liofilizadas, para a obtenção de extratos secos. A separação cromatográfica dos compostos fenólicos presentes nos extratos será realizada por equipamento HPLC (LC-20AD, Shimadzu Japan) acoplado a um detector por arranjo de diodos (SPD-M20A). A identificação e quantificação dos compostos será realizada por comparação com padrões puros e curvas de calibração. A atividade antioxidante dos extratos será realizada pelos métodos ABTS, DPPH, e FRAP. O habito de consumo de chás para tratamento da diarreia, será levantado em uma amostra não-probabilística, de 200 jovens universitários, homens e mulheres com não menos de 18 anos e não mais que 30 anos, de duas universidades de Aracaju. Por meio da internet, será aplicado um questionário contendo perguntas sobre: frequência de diarreias, consumo de chás para o tratamento de diarreias, conhecimento de chás para uso medicinal, dentre outras.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - HYRLA GRAZIELLE SILVA DE ARAUJO COUTO
Presidente - 1786979 - MARIA APARECIDA AZEVEDO PEREIRA DA SILVA
Interno - 1548928 - PATRICIA BELTRAO LESSA CONSTANT

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15368-99f189d34b