UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: HIANGA FAYSSA FERNANDES SIQUEIRA
09/12/2019 08:50


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: HIANGA FAYSSA FERNANDES SIQUEIRA
DATA: 18/12/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU sala 26
TÍTULO: Avaliação dos resultados de qualidade de vida e satisfação na reconstrução mamária imediata, tardia e sem reconstrução
PALAVRAS-CHAVES: Qualidade de Vida; Mastectomia; Reconstrução da mama.
PÁGINAS: 62
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

As mulheres submetidas à mastectomia para tratamento de câncer de mama podem ter sofrimento físico, psicossocial e distorção da imagem corporal. Apesar da reconstrução de mama ser o tratamento que visa reduzir o impacto físico e psicológico causados pela mastectomia, resultados de estudos de satisfação e qualidade de vida nessa população ainda são controversos. Métodos: Foi realizado um estudo observacional, transversal, descritivo e analítico, para estudar a satisfação e a qualidade de vida de pacientes mastectomizadas e/ou reconstruídas no Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), no período de março de 2015 a março de 2018. A qualidade de vida foi avaliada através do questionário WHOQOL-bref. As variáveis ​​sociodemográficas, comorbidades, grau de satisfação quanto a mama reconstruída e dados do tratamento foram colhidos através de uma ficha clínica. O nível de significância adotado foi de 5% e o software utilizado foi o R Core Team 2019. O presente estudo foi aprovado pelo comitê de ética em pesquisa do HU-UFS sob CAAE: 92210218.2.0000.5546. Todos os sujeitos do estudo assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. Resultados: Foram incluídas no estudo 81 pacientes, das quais 53 (65,4%) foram submetidas a reconstrução mamária. A qualidade de vida não foi significativamente melhor no grupo de reconstrução em comparação com o grupo não-reconstrução. No entanto, a satisfação com a mama operada, reconstruída ou não, está positivamente correlacionada com a qualidade de vida (p = 0,004). Não houve diferença estatística significante entre os resultados da qualidade de vida entre as mulheres com reconstrução imediata ou tardia, nem entre os tipos de reconstrução. Conclusão: Este estudo não evidenciou diferenças significativas entre as pacientes com reconstrução mamária, seja ela imediata ou tardia, em comparação com as pacientes não-reconstruídas. Mas quando analisada a qualidade de vida do grupo de mulheres não-reconstruídas, comparando-se os resultados das mulheres insatisfeitas com as que estão satisfeitas com suas mamas não-reconstruídas, observamos que o desejo de reconstrução, impactou negativamente na qualidade de vida dessas mulheres. Portanto, não oferecer a reconstrução de mama para uma mulher que deseja reconstruir, pode diminuir a qualidade e vida.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANEKÉCIA LAURO DA SILVA
Presidente - 154.064.405-78 - CARLOS ANSELMO LIMA
Interno - 577945 - ROSANA CIPOLOTTI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5