UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 26 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: RAFAEL CHIARADIA ALMEIDA
21/11/2019 16:53


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAFAEL CHIARADIA ALMEIDA
DATA: 09/12/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 47 - Propadm
TÍTULO: INTERNET DAS COISAS E AS AGTECHS NO BRASIL
PALAVRAS-CHAVES: Empreendedorismo Digital; Startup; Agtechs; INTERNET DAS COISAS; Agronegócio no Brasil.
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Administração
SUBÁREA: Administração de Empresas
ESPECIALIDADE: Negócios Internacionais
RESUMO:

A Internet e as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) estão transformando aeconomia mundial. Dentre estas tecnologias, destaca-se a Internet das Coisas (IoT), que englobauma rede de máquinas e dispositivos capazes de interagir entre si e que vem sendo objeto dediversos estudos recentes. Estima-se que a sua evolução causará um impacto comparado comaquele que teve a Internet na década de 1990 e a computação em nuvem alguns anos atrás. Noâmbito do agronegócio, a IoT pode contribuir com uma agricultura mais precisa, otimizando ouso de recursos como fertilizantes e água e aumentando a produtividade. Embora o Brasilpossua fortes e significativas vantagens competitivas no agronegócio, ele ainda possui desafiosa enfrentar, e a IoT é uma grande oportunidade para que o país consolide sua liderança mundial.Em um estudo realizado em janeiro de 2018 pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovaçãoe Comunicações (MCTIC), foram definidos 8 eixos onde a aplicação da IoT seria importantepara o país atingir seu objetivo de se tornar o maior exportador de soluções de IoT para aagropecuária tropical. Para analisar como se encontra o cenário brasileiro de IoT no âmbito doagronegócio, este estudo primeiramente mapeou as startups do agronegócio que possuemprodutos e/ou serviços de IoT desenvolvidos, chegando-se ao número final de 23 Agtechs atéagosto de 2019. Em seguida, por meio de uma análise documental nos sites destas empresas e
em reportagens de revistas eletrônicas, as soluções dessas Agtechs foram descritas e constatou-se que, com base nos eixos prioritários do Plano Nacional de IoT, apenas o Uso Eficiente de
Recursos Naturais e Insumos possui um número significativo de empresas atuantes (12).Notou-se também que este segmento se encontra em fase de crescimento, mas com uma forteconcentração na Região Sudeste, sendo o estado de São Paulo o principal polo. Com relação àscamadas da arquitetura de IoT contempladas nas soluções dessas Agtechs, apenas as dedispositivos e de suporte a serviços e aplicações apresentaram um número relevante deempresas (15 e 19). Para confirmar estes dados e obter informações adicionais, um estudo decasos múltiplos foi feito por meio de entrevistas com os fundadores de 4 agtechs, e verificou-
4se que a conectividade no campo é o maior problema enfrentado pelas empresas. Mesmo assim,apenas 3 startups estão atuando na camada de rede. As entrevistas mostraram ainda que, metadedas empresas estudadas se preocupam com a camada de segurança da informação, o que nãohavia sido possível de se afirmar apenas pela análise documental.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1692341 - EDWARD DAVID MORENO ORDONEZ
Presidente - 1541859 - IRACEMA MACHADO DE ARAGAO
Interno - 277760 - MONICA CRISTINA ROVARIS MACHADO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5