UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 02 de Fevereiro de 2023

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: HERALDO BISPO DOS SANTOS
21/10/2019 09:04


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: HERALDO BISPO DOS SANTOS
DATA: 31/10/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Dependências do Prodema
TÍTULO: INOVAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO BRASILEIRO: origens sociohistóricas e contradições do interesse público de representantes do Estado (1808-2016)
PALAVRAS-CHAVES: Desenvolvimento. Inovação Ambiental. Ciências Ambientais no Brasil
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

As origens sociohistóricas, contextos e contradições do interesse público de representantes do Estado brasileiro em torno das inovações ambientais é o objeto de estudo dessa pesquisa. O objetivo foi identificar e caracterizar contextos e contradições, encontrados nos diferentes modos de organização política do Estado brasileiro, desde a transferência da Coroa Portuguesa ao Brasil até a República, quanto a relação estabelecida pelas Instituições de Estado entre meio ambiente, desenvolvimento científico e tecnológico. Nesse sentido, foi analisado o interesse público de representantes do Estado brasileiro, governantes e intelectuais de Estado, em torno das inovações ambientais, a partir da institucionalização da ciência e da tecnologia no território nacional. A abordagem crítica de pesquisa e método dialético foram escolhidos para o desenvolvimento da pesquisa. A BATEIA – dispositivo de análise dialética foi o principal instrumento utilizado na coleta e análise das informações. Os resultados obtidos apontam para: (1) a centralidade da presença constante do Estado na definição de interesse econômico de extração de recursos naturais brasileiros. É possível afirmar que (2) as Instituições de Estado e os intelectuais de Estado, desde a chegada da Corte Portuguesa ao Brasil, estabeleceram conflitos de interesse no que se refere à ciência e desenvolvimento, considerando a questão ambiental e as tecnologias dela decorrentes de modo secundário. (3) O desenvolvimento de produtos de ciência ainda se mantêm ligados ao campo das ciências da saúde (epidemiologia, sobretudo). Outro fator relevante é que, (4) o interesse de representantes públicos do poder político brasileiro contemporâneo, em torno às inovações ambientais, é caracterizado: (a) por meio da influência partidária na definição de agenda à inovação ambiental dado pela ocupação de cargos e funções ministeriais, destacando-se, o MDB[28, 5%] e PSDB[14,2%], em comparação ao PT, PCdoB e PSD[4,1%]; (b) pela concentração no eixo sul-sudeste do país[85,7%] na distribuição de representatividade regional de origem dos ocupantes dos cargos de Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC); (c) pela manutenção de carreiras ligadas à Instituição de Estado, tendo destaque a carreira de político[30%], engenheiro e advogado[14%], respectivamente, quanto ao perfil profissiográfico dos ocupantes do MCTIC. Por fim, identificou-se a frágil estruturação de sistemas de gestão da inovação ambiental no Brasil. (5) Os elementos que contribuem para dificultar a estruturação de sistemas brasileiros de gestão da inovação ambiental sofrem influência da tardia institucionalização da ciência no país, entre os quais se destacam: (a) desprestígio da pressão internacional da regulação ambiental sobre processos produtivos, industriais e tecnológicos no âmbito da economia interna brasileira; (b) manutenção de ações desarticuladas de atividades de pesquisa e desenvolvimento em meio ambiente e inovação; (c) baixos níveis de governança; (d) ausência de condições e transparência para fixação de corporações transnacionais no território nacional; (e) ausência de incentivo à pesquisa exclusiva às inovações ambientais no Brasil. Recomenda-se a análise sobre os efeitos de curto e médio prazos dos resultados obtidos nessa pesquisa para a gestão de sistemas estruturados de inovação ambiental.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2625648 - ANTONIO VITAL MENEZES DE SOUZA
Interno - 2579022 - GREGORIO GUIRADA FACCIOLI
Externo à Instituição - MARCUS AURELIUS DE OLIVEIRA VASCONCELOS
Externo à Instituição - CARLA TACIANE FIGUEIRÊDO
Externo à Instituição - ANDREA MARIA SARMENTO MENEZES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2023 - UFRN v3.5.16 -r18291-d8b5d91c4a