UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: YASMIN BARRETO DEDA CHAGAS
21/08/2019 08:30


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: YASMIN BARRETO DEDA CHAGAS
DATA: 30/08/2019
HORA: 10:00
LOCAL: Sala de reuniões-DCOS/UFS
TÍTULO: A mulher na coluna Retratos Femininos: tensão entre memória e esquecimento
PALAVRAS-CHAVES: Mulher; Mídia Jornalística; Memória/Esquecimento
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Comunicação
RESUMO:

O presente trabalho aborda nossa pesquisa, cujo objetivo principal é analisar discursivamente a coluna Retratos Femininos, do jornal sergipano ‘A Semana’, circulado nos municípios de Simão Dias, Paripiranga, Lagarto, entre 1946 - 1969. A “Retratos” perfilava mulheres da cidade, consoante suas características físicas, psicológicas, sob a observação do autor. Buscamos analisar esta coluna, para entendermos os discursos que a atravessam: se machista, conservador ou, contrariamente, se há o rompimento dos valores tradicionais. Consequentemente, estudamos as condições de produção das descrições dos perfis, a autoria, a subjetividade, a verdade. Nesses termos, como aporte teórico, adotamos a Análise de Discurso de vertente francesa, com vistas às noções de discurso, Memória, Interdiscurso, conforme Orlandi; os conceitos de enunciado, autoria, sujeito, verdade, poder/saber, disciplina, desenvolvidos por Foucault; contamos ainda com as contribuições de Gregolin, quanto aos discursos da mídia. Inicialmente, traçamos um breve histórico sobre a mulher, suas representações em discursos circulados na sociedade, com enfoque na mídia, uma contribuidora da reatualização desses discursos. Ademais, destacamos o lugar do qual enuncia o jornalista responsável pela coluna, José de Carvalho Déda, diretor do jornal, assinante sob o pseudônimo de “Leonardo DeVinci”. Dando continuidade aos aspectos teóricos, estudamos os conceitos norteadores das análises, à luz das áreas a que este trabalho está circunscrito. Para efeitos de análise, selecionamos as colunas concernentes ao primeiro ano do jornal (1946), composta por dezesseis edições, por seu caráter ininterrupto atinente ao processo desde a produção à veiculação dos jornais. Quanto à metodologia de análise, empregamos os ensinamentos de Foucault, em “Arqueologia do Saber”, “A Ordem do Discurso, o conceito de Dispositivo (FOUCAULT, DELEUZE). Similarmente, utilizamos os conceitos de Orlandi. Como recurso de análise do corpus, destacamos quatro importantes eixos discursivos, quais sejam: religioso/mítico, pedagógico, institucional, literário. De igual modo, examinamos a ruptura discursiva. E, na medida em que destacamos esses eixos, como estamos lidando com textos fundamentalmente descritivos, consideramos as características físicas, psicológicas, as habilidades profissionais, como recursos de análises. Finalmente, identificamos alguns discursos conservadores sobre a mulher, com destaque às comparações da perfilada com elementos da natureza, numa aproximação com o discurso literário, para expressar a sua fragilidade. As representações encontradas nestes discursos contribuem para a docilização do feminino, apontando para uma tensão entre memória e esquecimento, na medida em que as características das perfiladas são apresentadas como qualidades dos sujeitos, promovendo um reatualização de discursos ditos e esquecidos. Com efeito, surge a impressão da necessidade de elas serem guiadas por um homem, enaltecendo-as a partir de padrões não correspondentes à realidade de todas as mulheres.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1820978 - RAQUEL MARQUES CARRIÇO FERREIRA
Interno - 2159814 - RENATA BARRETO MALTA
Externo à Instituição - ROSÂNGELA TENÓRIO CARVALHO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307