UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: DANIELE DE VASCONCELOS CERQUEIRA
19/08/2019 10:47


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DANIELE DE VASCONCELOS CERQUEIRA
DATA: 27/08/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Mini Auditório do CCBS/UFS
TÍTULO: INVESTIGAÇÃO DOS NÍVEIS DE 25 (OH) D E SUPLEMENTAÇÃO ORAL DE VITAMINA D3 NA REPIGMENTAÇÃO DE LESÕES CAUSADAS PELO VITILIGO
PALAVRAS-CHAVES: Ensaio clínico. Vitiligo. Vitamina D.
PÁGINAS: 101
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

Vitiligo é uma doença caracterizada por manchas despigmentadas com diferentes formas e tamanhos bem demarcados. É causado pela destruição de melanócitos funcionais na epiderme, sendo considerado um transtorno autoimune. Dentre os tratamentos utilizados no vitiligo a vitamina D tem papel no aumento da imunidade inata associado a regulação profusa da imunidade adquirida, aumenta a atividade da tirosinase e melanogênese através do receptor vitamina D (VDR) em melanócitos. Esse estudo objetivou a realização de um estudo transversal que consiste em investigar os níveis de 25 (OH) D de pacientes diagnósticados com vitiligo comparando com indivíduos saudáveis e um estudo clínico piloto de suplementação de vitamina D3 em pacientes com vitiligo voluntários do ambulatório de dermatologia do HU-UFS. Foi realizada uma revisão narrativa sobre a relação da vitamina D com o vitiligo onde foi feita uma busca nas bases de dados: Pubmed, Science Direct, Web of Science, Scopos e Lilacs publicados até maio de 2019. Para o estudo transversal 61 indivíduos ingressaram no estudo onde foi realizado coleta sanguínea para verificação dos níveis de 25 (OH) D, determinação da pigmentação da pele e área de superfície corpoal afetada. O estudo clínico piloto ingressarm 12 pacientes diagnosticados com vitiligo onde foram divididos em dois grupos: grupo A que recebeu 35000 UI/dia de vitamina D3 e grupo B que recebeu o placebo. A suplementação de vitamina D3 durou 6 meses. Na análise estatística foi utilizado teste Exato de Fisher e teste Qui-Quadrado; Monte-Carlo; teste de Mann-Whitney; correlação de Spearman e ANOVA bivariada. A amostra do estudo transversal consistiu em 68,8% mulheres e 31,2% homens no grupo vitiligo e 75,9% mulheres e 24,1% homens no grupo controle. A média dos níveis de 25 (OH) D 32,1 ng/mL e 33,7 ng/mL no grupo vitiligo e controle respectivamente. O estudo clínico piloto 83,3% dos pacientes são do sexo feminino e 17,7% pacientes são do sexo masculino. A média dos níveis de 25 (OH) D após 90 dias de tratamento foi de 78,6 ng/mL e 39,5 ng/mL no grupo A e B respectivamente. A média do IRM após 90 dias de tratamento foi de 32,7%e 12,5% no grupo A e B respectivamente. Não encontramos diferença estatística nos níveis de 25 (OH) D dos pacientes com vitiligo quando comparados com indivíduos saudáveis. Os níveis de 25 (OH) D aumentaram no grupo A. Houve estabilização na pigmentação dos pacientes que receberam a vitamina D3.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2445308 - ADRIANO ANTUNES DE SOUZA ARAUJO
Externo ao Programa - 2078215 - CLAUDIO MOREIRA DE LIMA
Interno - 2190308 - MARCIO ROBERTO VIANA DOS SANTOS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5