UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 27 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: HERICALIZANDRA SANTA ROSA SANTANA
19/08/2019 10:06


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: HERICALIZANDRA SANTA ROSA SANTANA
DATA: 27/08/2019
HORA: 08:00
LOCAL: Mini Auditório do CCBS/UFS
TÍTULO: Efeitos do limoneno sobre lesão pulmonar aguda por inalação de fumaça em roedores.
PALAVRAS-CHAVES: Inalação de fumaça. Lesão pulmonar. Monoterpeno. Limoneno
PÁGINAS: 93
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

A lesão pulmonar aguda é afecção comum no paciente queimado ou vítima de incêndio e se caracteriza por complexa fisiopatologia. Afeta inicialmente a via aérea, podendo progredir para uma doença sistêmica, de difícil controle, com elevado risco de morte. O tratamento é duradouro e suscita a investigação de terapias alternativas que sejam mais eficazes e de baixo custo. Dentre estas alternativas, os produtos naturais tem sido a escolha em várias pesquisas. Estudos têm comprovado que o limoneno, um monoterpeno presente em frutas cítricas, possui efeitos anti-inflamatórios e antioxidantes, entretanto sua administração por via inalatória em lesões pulmonares por inalação de fumaça ainda não foram estudados. O presente estudo avaliou os efeitos do limoneno sobre a lesão pulmonar aguda induzida por inalação de fumaça em roedores, e investigou o estresse oxidativo, alterações histológicas e bioquímicas causadas pela lesão. Além disso, esta pesquisa realizou uma revisão sistemática abordando os efeitos anti-inflamatórios do limoneno sobre as lesões do sistema respiratório. Trata-se de estudo experimental, no qual foram utilizados 17 ratos adultos, divididos aleatoriamente em grupos de seis, denominados: sem lesão e sem intervenção (Grupo SL/I); com lesão e expostos à inalação do soro fisiológico (Grupo SAL); e com lesão e tratados com limoneno por inalação (Grupo LIM). A lesão pulmonar aguda foi induzida em ratos pela exposição destes a fumaça produzida pela queima de 30 g/Kg de algodão em uma câmara durante 27 min. Após isto, os animais foram submetidos à oxigenoterapia e respectivos tratamentos. Vinte quatro horas após, estes foram eutanasiados para análise. A análise bioquímica do sangue não mostrou nenhuma alteração importante entre os grupos. Apenas uma redução significativa nos níveis de Alanina Aminotransferase (ALT) nos grupos SAL e LIM. Quanto à atividade antioxidante, os níveis de GSH foram reduzidos nos animais lesionados e significatimente aumentados nos animais tratados com LIM (p<0,05), o FRAP e a MPO não apresentaram diferença significativa entre os grupos. Na análise histológica foi possivel observar que os tecidos traqueal e pulmonar dos animais lesionados apresentaram processos inflamatórios severos caracterizados pela presença de linfócitos, polimorfonucleares neutrófilos e ulceração do epitélio e edema. O tratamento com o D-limoneno foi capaz de reduzir, mesmo que de forma leve, estas alterações. Foram constatadas na traquéia uma menor resposta inflamatória com preservação do epitélio pseudoestratificado cilíndrico ciliado e ausência de áreas de ulceração, enquanto que no pulmão observou um predomínio de alvéolos regulares, homogeneamente distribuídos, com áreas focais de maior celularidade e septos levemente espessados, inferindo menor resposta inflamatória. Os resultados até aqui demosntram que o D-limoneno pode ser eficaz no tratamento da lesão pulmonar por inalação de fumaça. Os efeitos positivos evidenciados pela melhora sugere um potencial terapêutico do limoneno.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1075209 - ERIKA RAMOS SILVA
Presidente - 2190308 - MARCIO ROBERTO VIANA DOS SANTOS
Interno - 2137199 - PAULA SANTOS NUNES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5