UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 29 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: VANESSA TAVARES DA SILVA FONTES
09/07/2019 12:46


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VANESSA TAVARES DA SILVA FONTES
DATA: 10/07/2019
HORA: 13:30
LOCAL: Sala 26 do Ciências da Saúde
TÍTULO: EFEITO DA ALCALINIZAÇÃO DA SOLUÇÃO DE CLORIDRATO DE ARTICAÍNA 2% COM EPINEFRINA 1:200.000 SOBRE A EFETIVIDADE ANESTÉSICA EM INFILTRAÇÃO NA MAXILA. ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO CRUZADO.
PALAVRAS-CHAVES: Articaína, alcalinização, anestesia, dor.
PÁGINAS: 33
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

O ajuste do pH das soluções anestésicas pode melhorar sua potência e eficácia; além disso, pode minimizar o tempo de latência e a dor durante a infiltração. O objetivo deste ensaio clínico randomizado, cruzado, triplo é avaliar as propriedades anestésicas (eficácia, latência e duração da anestesia pulpar e de tecidos moles) e dor durante a infiltração de Cloridrato de Articaína 2% alcalinizada com Epinefrina 1:200.000 e a solução comercialmente disponível de Cloridrato de Articaína 4% com Epinefrina 1:200.000. De acordo com o cálculo amostral, serão necessários 42 voluntários saudáveis com idade entre 18 e 45 anos e com dentes superiores sadios. Por ora, foram avaliados 23 voluntários, os quais foram submetidos a duas anestesias infiltrativas na maxila, uma para cada solução testada. O sucesso anestésico está sendo avaliado por intermédio do teste pulpar de estimulação elétrica “Pulp Tester” e do Estesiômetro. Já a percepção de dor está sendo avaliada pela Escala Visual Analógica (EVA). Os dados estão sendo submetidos ao teste pareado de Wilcoxon, com nível de significância de 5%. Até o momento da pesquisa, não há diferença estatisticamente significante entre as duas soluções anestésicas (latência gengival: p = 0,93; duração da anestesia gengival: p = 0,9199; latência pulpar: p = 0,8978; duração da anestesia pulpar: p> 0,9999), exceto a dor, que foi menor quando a Articaína 2% alcalinizada com Epinefrina 1: 200.000 foi usada (p 0,0104). O presente estudo indicou maior conforto quando utilizada solução de Articaína alcalinizada a 2% e as mesmas propriedades anestésicas para ambas as soluções. Esses resultados podem indicar mais segurança e menor risco de toxicidade à anestesia local, usando a solução de Articaína alcalinizada a 2% em comparação com a solução a 4%.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1776684 - ANDRE LUIS FARIA E SILVA
Externo ao Programa - 3007440 - GISELE PEDROSO MOI
Interno - 1783432 - PAULO HENRIQUE LUIZ DE FREITAS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12762-01b8f192c5