UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: BEATRIZ MASCARENHAS ZUIN
19/06/2019 10:47


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BEATRIZ MASCARENHAS ZUIN
DATA: 03/07/2019
HORA: 14:00
LOCAL: SALA 27 PPGCS- CENTRO DE PESQUISAS BIOMÉDICAS-HU
TÍTULO: Indoxil sulfato urinário (indican) em crianças e adolescentes com doença falciforme: avaliação de disbiose intestinal e associações com o estado nutricional.
PALAVRAS-CHAVES: Doença Falciforme. Microbiota intestinal. Disbiose. Estado Nutricional. Constipação intestinal.
PÁGINAS: 71
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Nutrição
RESUMO:

Introdução: A doença falciforme (DF) é uma das doenças genéticas mais prevalentes em todo o mundo. Trata-se de uma alteração autossômica recessiva, sendo a crise vaso-oclusiva aguda sua manifestação mais comum, levando à uma interação complexa de eventos adesivos entre as células do sangue. Disbiose intestinal (DI) é definida como o desequilíbrio da microbiota do intestinal (MI) e pode estar diretamente associada à DI. Evidências atuais revelaram a presença de lesão intestinal e aumento da permeabilidade do intestino de pacientes com DF, sugerindo DI. Objetivo: Avaliar DI em pacientes com DF. Métodos: Trata-se de um estudo transversal conduzido entre janeiro de 2018 e março de 2019, envolvendo um total de 95 crianças e adolescentes (05 a 18 anos). Para o presente estudo, foram utilizados três grupos: G1. uso de hidroxiúreia; G2. sem uso de hidroxiuréia; G3. controle. Foi realizado exame de urina (indican) para avaliar DI, parasitológico de fezes, avaliação de índices antropométricos, Critérios de Roma IV, Escala de Bristol e situação socioeconômica e demográfica. Resultados: Verificou-se a presença de DI acima de >40 mg/L em 92 dos 98 participantes (90%) considerada disbiose grave, no entanto, não se observou diferenças significativas entre os grupos avaliados (p = 0,51). Em relação ao estado nutricional, observou-se déficit de estatura-para-idade (E/I) (p = <0,001) e baixo IMC-para-idade (IMC/I) (p = 0,002). Com relação à razão-cintura-altura, os valores médios entre os grupos encontram-se dentro da normalidade, ficando abaixo do ponto de corte (≤0,05), demostrando que os grupos não apresentam risco para obesidade e doenças cardiometabólicas e sim agravo para desnutrição quando comparados com os índices E/I e IMC/I. Houve predominância do padrão intestinal normal, avaliado pela Escala de Bristol e Critérios de Roma IV. Não foi possível incluir o resultado de exame parasitológico de fezes de 35% dos participantes que não realizaram o exame, no entanto, observou-se 27% de parasitas, helmintos ou comensais intestinais entre os participantes. Verificou-se que a ingestão de água teve como média 1,5ml/dia (p <0,05), sendo que 51% dos participantes relataram consumir água do tipo torneira, filtro de barro e poço artesiano. Como fatores de proteção para a MI, observou-se que 80% das mães tiveram seus filhos via parto natural e 83% amamentaram por período maior que 6 meses. Conclusão: Observou-se aumento das concentrações urinárias de Indican em pacientes com DF, assim como no grupo controle, sendo indicativos de DI. Não foi possível observar se DI está relacionada à presença da DF nos grupos caso ou por fatores associados, como estado nutricional, situação socioeconômica e demográfica, presença de constipação intestinal e demais fatores de exposição.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1632071 - DANIELLE GOES DA SILVA
Externo à Instituição - LUCIANA MARIA DE HOLLANDA
Interno - 426673 - RICARDO QUEIROZ GURGEL

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5