UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 28 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: CARLISSON RAMOS MELO
28/02/2019 13:31


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CARLISSON RAMOS MELO
DATA: 28/02/2019
HORA: 14:00
LOCAL: SALA 2 - PPGAGRI
TÍTULO: Bioatividade de óleos essenciais e seus compostos majoritários sobre formiga cortadeira e seu fungo simbionte.
PALAVRAS-CHAVES: formicidae, bioinseticida, mistura binária, Myrtaceae.
PÁGINAS: 98
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

As formigas cortadeiras são umas das principais pragas de culturas florestais e
agrícolas. Apesar do método mais utilizado de controle ainda ser os inseticidas organosintéticos,
métodos alternativos sustentáveis vêm sendo investigado visando à adequação dos sistemas de
cultivos florestais as normas das certificadoras. Óleos essenciais de plantas têm sido considerados
uma alternativa viável ao uso de inseticidas sintéticos para o controle de diversos insetos. Assim, o
presente trabalho tem por objetivo avaliar o potencial formicida e antifúngico dos óleos essenciais
de dois quimiotipos de Myrcia lundiana e seus compostos majoritários sobre Acromyrmex balzani e
seu fungo simbionte Leucoagaricus gongylophorus, bem como avaliar o potencial sinérgico entre os
quimiotipos de M. lundiana e Aristolochia trilobata. Para tanto, foi realizado análise química dos
óleos essenciais de A. trilobata e M. lundiana. Testes de toxidade aguda por fumigação sobre
operárias foram realizados para a obtenção das CL 50 e CL 90 . Para a verificação da interação de
sinergismo e/ ou antagonismo entre ambos os óleos e entre seus respectivos compostos foram
realizados bioensaios de combinação binária. A ação antifúngica L. gongylophorus foi determinada
por fumigação em placas de pettri contendo meio BDA. A inibição do crescimento foi avaliada
através da medição do halo de crescimento do miscelos do fungo simbionte. No quimiotipo citral
foram identificados 30 compostos, enquanto que o isopulegol apresentou 29. Em ambos
quimiotipos, o composto 1,8-cineol apresentou percentual de 15,49 (quimiotipo isopulegol) e
14,16% (quimiotipo citral). Ambos os óleos essenciais e seus compostos majoritários se mostraram
tóxicos as formigas. Todavia, os quimiotipos foram menos tóxicos que os compostos isolados citral,
isopulegol e 1,8-cineol. As combinações entre os compostos isolados apresentaram efeito de
antagonismo. Quando expostos de forma imediata, os tratamentos apresentaram ação repelente
sobre as operárias de A. balzani. Contudo, após 60 h, apenas o quimiotipo citral apresentou esse
efeito. A distância percorrida, a velocidade e o tempo parado das operárias foi menor quando
exposta aos tratamentos. Quando avaliada a interação entre os óleos de M. lundiana e A. trilobata
foi verificado um sinergismo no efeito tóxico sobre as formigas. O efeito sinérgico é decorrente
principalmente das interações sinérgicas entre o composto citral e os compostos chave da A.
trilobata. Nenhum efeito antagônico foi relatado entre os compostos majoritários dos óleos
essenciais. Os óleos essenciais de M. lundiana apresentaram toxidade ao fungo simbionte, todavia
o composto majoritário citral apresentou maior inibição de crescimento miscelial. Os resultados do
presente trabalho mostram que os óleos essenciais de M. lundiana e seus compostos majoritários
são eficientes para o controle de formigas cortadeiras A. balzani.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1692351 - LEANDRO BACCI
Interno - 052.892.806-69 - DANIELA APARECIDA DE CASTRO NIZIO
Externo ao Programa - 1861452 - ANA PAULA ALBANO ARAUJO
Externo à Instituição - VINÍCIUS ALBANO ARAÚJO
Externo à Instituição - PAULO FELLIPE CRISTALDO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16104-201f40f5e2