UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: HOSANA HAUM BARROS MECENAS
05/02/2019 08:21


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: HOSANA HAUM BARROS MECENAS
DATA: 22/02/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do Polo de Gestão da POSGRAP
TÍTULO: Efeito repelente do substrato de descarte de formigas cortadeiras
PALAVRAS-CHAVES: Acromyrmex balzani, Atta opaciceps, controle, herbivoria, Lipaphis erysimi, manejo, resíduo, substrato de descarte.
PÁGINAS: 45
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia de Ecossistemas
RESUMO:

Formigas cortadeiras mantêm a higiene da colônia e diminuem os riscos de contaminação evitando contato com seus resíduos, pois os mesmos podem abrigar substâncias e microrganismos nocivos para as formigas e seu fungo simbionte. Desta forma, o descarte de resíduos é feito por meio de câmaras subterrâneas ou pela criação de montículos externos à colônia, dependendo da espécie. Estudos sugerem que, em virtude do odor e natureza do material envolvido, o substrato de descarte pode ser utilizado para impedir o ataque de formigas cortadeiras às plantas. Analisamos experimentalmente se este efeito repelente do substrato de descarte conserva-se em uma solução líquida. Para isso foram selecionadas 30 colônias de Acromyrmex balzani e 36 colônias de Atta opaciceps em campo e ofertadas a cada colônia 30 iscas confeccionadas com canudos e empanadas em polpa cítrica, sendo três tratamentos com 10 iscas para cada. Os tratamentos foram: 1 - “Cont” controle composto por iscas brancas embebidas em solução água/álcool 50%, 2 - “ExtAc” com iscas rosas embebidas em extrato do substrato de descarte de A. balzani com concentração de 20% p/v e 3 - “ExtAt” composto por iscas azuis embebidas em extrato com concentração de 20% p/v, com o substrato de descarte de A. opaciceps. As iscas ficaram disponíveis às colônias de A. balzani por 30 minutos e às colônias de A. opaciceps por 20 minutos, sendo contabilizado o tempo e a quantidade de iscas retiradas, comparados através de análise de sobrevivência e LME. Os resultados permitem concluir que há efeito repelente sobre a atividade forrageadora das formigas. Com base neste resultado positivo, analisamos experimentalmente se este efeito se manteria contra outro inseto herbívoro, o pulgão Lipaphis erysimi. Para tanto, realizamos 103 bioensaios em placas de petri de Ꝋ =150mm, com um disco de folha de couve manteiga (Brassica oleracea L. var. acephala) borrifado com a solução controle (água/álcool) 50% e um disco de folha borrifado com o extrato do substrato de descarte de A. balzani (20%) (n=49) ou do substrato de descarte A. opaciceps (n=54), dispostos um de cada lado e liberados 10 pulgões Lipaphis erysimi em cada placa, sendo utilizados no total 1.030 pulgões. Os bioensaios foram comparados através de análise binomial. Houve efeito repelente dos pulgões ao substrato de ambas as espécies. Futuros estudos são necessários para verificar se os extratos pulverizados em folhas apresentam o mesmo efeito do observado nas iscas e a duração desse efeito em condições de campo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1674021 - LEANDRO DE SOUSA SOUTO
Externo ao Programa - 2354380 - PAULO CESAR DE LIMA NOGUEIRA
Externo ao Programa - 1698490 - YANA TEIXEIRA DOS REIS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9