UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 20 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: RODRIGO TELES DANTAS DE OLIVEIRA
29/01/2019 11:20


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RODRIGO TELES DANTAS DE OLIVEIRA
DATA: 25/02/2019
HORA: 14:30
LOCAL: PROPADM
TÍTULO: STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL: PROCESSOS AMBIENTAIS E CONDICIONANTES À SOBREVIVÊNCIA DE ORGANIZAÇÕES
PALAVRAS-CHAVES: Stricto Sensu em Administração; Ecologia Organizacional; Processos ambientais
PÁGINAS: 124
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Administração
SUBÁREA: Administração de Setores Específicos
RESUMO:

A modalidade de ensino Stricto Sensu em Administração, surgida no Brasil no final da década de 1960, passou por diversas mutações na forma como seus programas de pós-graduação (PPGs) surgem, se mantêm e, por vezes, fenecem. Apesar da importante expansão da área, observada nas duas últimas décadas, a mais recente avaliação quadrienal da CAPES (2017) demonstrou uma inflexão nesse campo, expressa pelo aumento do número de programas acadêmicos mal avaliados pela entidade, ou seja, cursos que tiveram suas notas rebaixadas. Considerando o ambiente organizacional uma importante variável de análise, a Ecologia Organizacional busca explicar como se dão os fenômenos de fundação e fracasso de organizações (HANNAN; FREEMAN, 1977), dentre outras formas, por meio do estudo dos processos ecológicos, demográficos e ambientais. Explorando esse cenário, esta pesquisa objetiva compreender como os processos ambientais de cunho institucional, quais sejam a regulação, oscilações políticas e ligações institucionais, influenciam no declínio de PPGs em Administração. Para tanto, executou-se um estudo de natureza explicativa e abordagem qualitativa, baseada na triangulação dos dados por meio de entrevistas semiestruturadas com o corpo diretivo dos PPGs abordados, pesquisa documental aos relatórios, pareceres, avaliações e outros concernentes à queda de nota dos PPGs e observação não-participante como ferramentas de coleta de dados. Para o exame desses dados, foram realizadas as análises de narrativa e documental, relacionando-as com as impressões emergidas na observação, intentando evidenciar as relações que as variáveis regulação, oscilações políticas e ligações institucionais nutrem com o declínio dos programas. Os resultados confirmam as premissas da Ecologia Organizacional, que afirma que os processos ambientais condicionam o fracasso organizacional, sendo os elementos mais significativos: as alterações dos critérios de avaliação, o peso da produção qualificada, a atuação da coordenação de área e as determinações das Instituições de Ensino (regulação); reorientações das políticas públicas da pós-graduação, retração de recursos e atuação dos governos (oscilações políticas); desequilíbrio na distribuição de recursos e poder e fragilidade na internacionalização e nas relações com agências de fomento, empresas, redes de pesquisa e CAPES (ligações institucionais). Adicionalmente, propõe-se uma nova categoria de análise, de caráter intraorganizacional, que se apresentou como importante elemento a ser considerado pelos estudos ecológicos organizacionais, tendo em vista a emersão de aspectos internos, a exemplo da estruturação do corpo docente, o planejamento da produção qualificada, a redação do relatório de avaliação e aspectos comportamentais dos integrantes dos PPGs.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1791750 - FLORENCE CAVALCANTI HEBER PEDREIRA DE FREITAS
Interno - 1654859 - MANUELA RAMOS DA SILVA
Externo à Instituição - CLAUDIANI WAIANDT

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307