UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 28 de Janeiro de 2023

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: NARA VIEIRA DE SOUZA
03/01/2019 12:46


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NARA VIEIRA DE SOUZA
DATA: 25/01/2019
HORA: 09:00
LOCAL: PRODEMA
TÍTULO: ENTRE REDES, LINHAS, TARRAFAS E PUÇÁS: O COTIDIANO DO PESCADOR BARRA-COQUEIRENSE EM MEIO AO CONTEXTO URBANO E A DIMENSÃO SOCIOAMBIENTAL.
PALAVRAS-CHAVES: Cotidiano. Pescadores. Urbanização litorânea. Desenvolvimento Local
PÁGINAS: 230
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

A ocupação da faixa litorânea tem tido ênfase em várias pesquisas mundialmente, tornando-se um fenômeno global, sendo vista por diferentes fatores e pelo surgimento de novos sentidos para práticas e usos dos recursos naturais nesse espaço. No Brasil, e, com o olhar para o Estado de Sergipe, destacando o município de Barra dos Coqueiros, locus deste estudo, o cenário para a faixa litorânea não tem sido diferente, e, com maior intensidade a partir de final de 2006, após construção da ponte Construtor João Alves, conhecida como ponte Aracaju-Barra, que desencadeou interferências nos recursos naturais e no cotidiano de comunidades tradicionais, como no caso dos pescadores, sujeitos desta pesquisa. Novos sentidos e práticas no espaço litorâneo, no âmbito global, sobressaem pelos vetores que sinalizam interesses para a modernização, pelo aumento de riquezas (especulação imobiliária; veraneio; atividade turística; moradias frente à beira mar), pelos interesses no uso do espaço para exploração off shore de petróleo, e, mais recentes os interesses tendem também para instalação de grandes empreendimentos, com altos investimentos (parques eólicos, usinas termelétricas e outras indústrias). Fatos que causam disputas e grandes modificações com o adensamento populacional e ocupacional, alterando a dinâmica socioambiental e as relações homem-natureza de comunidades tradicionais, sem que haja transformações emancipatórias. No caso da Barra dos Coqueiros-SE, as interferências ocorridas afetaram áreas urbanas e rurais do município, seja nos aspectos estruturais, nos recursos naturais e nas atividades econômicas peculiares ao município, como a pesca, que é uma atividade com idas e vindas, propiciando uma cotidianidade dos pescadores com a natureza, seja em águas estuarinas, ribeirinhas ou costeiras, com ritmos diários como produtores de saberes na relação homem-natureza, e, que necessariamente devem ser envolvidos em todo planejamento socioambiental. Nesse contexto, a pesquisa analisa o cotidiano dos pescadores barra-coqueirenses, suas transformações, modificações na utilização dos usos de recursos naturais, em razão dos empreendimentos surgidos no período de 2007 a 2017, numa perspectiva socioambiental enquanto parâmetro do desenvolvimento local. Metodologicamente, a pesquisa utilizou o método dialético, com técnica Análise dos Discursos - AD, instrumentos como entrevistas semiestruturadas e gravadores para etapa etnográfica com sujeitos pescadores e representantes das demandas pesqueiras do município, num processo de coleta de dados descrito de forma histórico-dialógico ao analisar o cotidiano dos sujeitos pescadores. Para o tratamento dos dados foram utilizados os software’s, DSCsoft e o Iramutec, que permitiram agrupamentos por ideais centrais e por similaridades, resultando em figuras e quadros a partir das narrativas inseridas nos referidos programas. Como contribuição da pesquisa, foi construído um sistema e um documento, em forma de agenda socioambiental, constando de elementos para um gerenciamento na concepção do desenvolvimento local para o município, haja vista o modelo de desenvolvimento instaurado, não apresenta aspectos de um desenvolvimento integrado local.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2222763 - MARIA JOSE NASCIMENTO SOARES
Interno - 1316620 - ALCEU PEDROTTI
Externo ao Programa - 127.526.146-91 - MARIA AUGUSTA MUNDIM VARGAS
Externo ao Programa - 1517885 - CESAR HENRIQUES MATOS E SILVA
Externo à Instituição - DANIELA VENCESLAU BITENCOURT
Externo à Instituição - RONISE NASCIMENTO DE ALMEIDA
Externo à Instituição - SÉRGIO LUIZ LOPES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2023 - UFRN v3.5.16 -r18277-8067e35817