UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MÁRCIA ESTELA LOPES DA SILVA
26/06/2018 13:20


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MÁRCIA ESTELA LOPES DA SILVA
DATA: 05/07/2018
HORA: 08:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU sala 27 PPGCS
TÍTULO: FATORES DE RISCO QUE CONTRIBUÍRAM PARA AS CONDIÇÕES DE RISCO AO NASCER RELACIONADAS AOS CRITÉRIOS DE NEAR MISS NEONATAL A PARTIR DE BANCO DE DADOS OFICIAIS DO GOVERNO BRASILEIRO
PALAVRAS-CHAVES: Near Miss. Fatores de Risco. Sistemas de Informação.
PÁGINAS: 41
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

O avanço tecnológico vem colaborando para a sobrevida de recém-nascidos considerados de risco para mortalidade infantil. O conceito de Near Miss Neonatal é muito recente em nosso meio mas veio justamente para que se delimitassem estudos sobre os lactentes ditos ‘sobreviventes’ a uma causa de estresse perinatal. Objetivo: determinar os fatores de risco que contribuem para as condições de risco ao nascer relacionadas aos critérios de Near Miss Neonatal a partir da análise de banco de dados oficiais do governo brasileiro. Metodologia: estudo analítico de dados secundários em uma série histórica nos bancos de dados oficiais, através da metodologia de linkage. Foram coletados os dados referentes aos nascidos vivos residentes no Estado de Sergipe no período de 2011 a 2016, tanto no Sistema Nacional de Nascidos Vivos (SINASC) quanto no Sistema de Informação de Mortalidade(SIM). A amostra selecionada foi de todos recém-nascidos com os critérios de Near Miss Neonatal segundo Pileggi et al, 2010. Foram selecionadas variáveis presentes no SINASC e analisadas dentro da amostra. A análise estatistica final avaliou os resultados através do Risco Relativo que mediu a probabilidade do desfecho de risco. Resultados: as variáveis que mais tiveram relação com as condições de risco ao nascer foram: local de ocorrência na capital, parto domiciliar, gestação múltipla, apresentação não cefálica e anomalia congênita. Fatores como situação conjugal, raça, idade e escolaridade materna, assim como presença de pré-natal adequado, filho morto anterior e parto cesárea não apresentaram relação significativa com o desfecho de risco ao nascer. Trabalho de parto induzido foi identificado como fator de proteção. Conclusão: Neste estudo verificou-se que as variáveis encontradas como fatores de risco vêm de encontro com o que a literatura tem descrito e, assim sendo, pretende que a mesma sirva de apoio a demais estudos sobre o tema e contribua para o levantamento de evidências que possam subsidiar bases para a construção de programas e políticas públicas direcionadas à diminuição da morbimortalidade infantil.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 426673 - RICARDO QUEIROZ GURGEL
Externo ao Programa - 426251 - ANTONIO CARVALHO DA PAIXAO
Externo ao Programa - 2295747 - ANNA KLARA BOHLAND

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5