UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 20 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: EVANDRO OLIVEIRA SANTOS
26/06/2018 09:49


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EVANDRO OLIVEIRA SANTOS
DATA: 19/07/2018
HORA: 14:00
LOCAL: NIPPEC
TÍTULO: O MANIFESTO COMO AÇÃO DE LINGUAGEM: UMA PROPOSTA DE DIDATIZAÇÃO DO GÊNERO PARA A LEITURA EM SALA DE AULA
PALAVRAS-CHAVES: Ensino de língua portuguesa; leitura; gênero de texto manifesto; interacionismo sociodiscursivo
PÁGINAS: 132
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
SUBÁREA: Língua Portuguesa
RESUMO:

A presente pesquisa parte do pressuposto de que o ensino de língua portuguesa deve mirar o desenvolvimento de capacidades de linguagem dos estudantes, a partir do trabalho instrumentalizado pelos gêneros de textos. Nossa problemática diz respeito às dificuldades de aluno(a)s para realizar, adequadamente, a leitura de textos no plano discursivo-enunciativo. Tem como objetivo possibilitar a apropriação das práticas linguageiras associadas à leitura do gênero manifesto literário. Como modelo de análise, utilizamo-nos da perspectiva teórico-epistemológica defendida por pesquisadores da Universidade de Genebra, identificados com o interacionismo sociodiscursivo (ISD), sobretudo os postulados de Bronckart (2009), que se associam a três bases centrais: o interacionismo social de Vigotski (2008), a ciência do texto-discurso de Bakhtin (2003) e Volochinov (2013) e a Linguística Saussuriana (2006). A partir de uma pesquisa-ação baseada em Thiollent (2012), em um contexto de escola pública de ensino fundamental do município de Paripiranga-BA, desenvolvemos uma intervenção docente que seguiu o princípio da transposição didática de gênero, adotada neste trabalho como forma de transpor uma elaboração conceitual em instrumento chamado Sequência Didática de Leitura (SDL), adaptado de Dolz, Noverraz & Schneuwly (2004) para interpretar a ação linguageira de manifestar-se a partir de um corpus composto pelos Manifestos da Poesia Pau-Brasil (1924) e Antropófago (1928), escritos por Oswald Andrade e o Manifesto da Antropofagia Periférica (2007), escrito por Sérgio Vaz. Trata-se de importante contribuição aos estudos linguísticos, na medida em que busca suprir insuficiências quanto ao domínio de gêneros de difícil acesso aos estudantes, além de fazer uma abordagem advinda da linguística aplicada para textos que geralmente são lidos como introdutórios aos estudos literários. De modo geral, o procedimento SDL mostrou-se um bom instrumento para a mediação da aprendizagem alicerçada em novas concepções de ensino com foco nas práticas de linguagem. Como resultado, portanto, construímos um Produto Didático de Gênero (PDG), que consiste em um caderno de atividades para a leitura do manifesto literário em sala de aula, a fim de contribuir com as práticas docentes que se associam a uma perspectiva sociodiscursiva de ensino de língua materna.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1625620 - JOSE RICARDO CARVALHO DA SILVA
Interno - 1687732 - JEANE DE CASSIA NASCIMENTO SANTOS
Externo à Instituição - EULÁLIA LEURQUIN

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16088-62c448d53e