UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 29 de Novembro de 2022

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: RENATA EVANGELISTA STRAPPA
29/05/2018 10:36


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RENATA EVANGELISTA STRAPPA
DATA: 28/05/2018
HORA: 15:00
LOCAL: LABORATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS
TÍTULO: COMPORTAMENTO DO FENÔMENO DE PARAFINAÇÃO EM ÓLEO PESADO NA PRESENÇA DE INIBIDOR ADVINDO DE RESÍDUO INDUSTRIAL
PALAVRAS-CHAVES: Cinética de cristalização; Ozawa; ensaios reológicos, parafina; TIAC; óleo pesado
PÁGINAS: 10
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Processos Industriais de Engenharia Química
ESPECIALIDADE: Processos Orgânicos
RESUMO:

A deposição de parafina tem sido um problema desafiador para a indústria de petróleo. Nas condições de temperatura e pressão do reservatório, a parafina está presente na forma dissolvida, no entanto, no estágio de extração, exploração e produção de petróleo, esta perde a condição de equilíbrio e começa a cristalizar, formando aglomerados de cristais ao longo do fluxo de óleo. Alguns estudos foram desenvolvidos para testar métodos úteis para evitar a formação de cera em oleodutos e, para isso, é necessário conhecer o comportamento termodinâmico de cristalização da parafina, e um foco importante da pesquisa é a cinética de cristalização, que permite, através do uso de modelos cinéticos, conhecer os mecanismos de nucleação e taxa de crescimento dos cristais, assim como a temperatura inicial de precipitação de parafina (TIAC). O presente estudo analisou a cinética de cristalização de parafina e a TIAC em óleo pesado na presença de líquido de caju (LCC), pelo modelo termodinâmico de cinética de cristalização Ozawa e a TIAC e a energia de ativação de nucleação de parafina por medida reológica, por meio da equação de Arrhenius. Os resultados obtidos mostraram que o modelo de Ozawa foi eficiente na avaliação da cinética de cristalização não isotérmico da parafina em óleo pesado, e o valor da TIAC obtido concordou com o valor obtido por medidas reológicas, 411ºC. A adição do LCC não promoveu redução no valor da TIAC, contudo reduziu a energia de ativação de 679,03 J/mol para 494,07 J/mol, com o aumento da concentração do LCC, ocasionando maior nucleação, com formação de cristais de parafina de menor tamanho e massa, menor velocidade de precipitação, o que favorece a garantia de escoamento do óleo pesado.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426443 - GISELIA CARDOSO
Interno - 2222671 - PEDRO LEITE DE SANTANA
Interno - 1542165 - JOSE JAILTON MARQUES
Externo ao Programa - 2632257 - JACQUELINE REGO DA SILVA RODRIGUES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2022 - UFRN v3.5.16 -r18154-6e174eae4e