UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LARISSA ANDRELINE MAIA ACELINO
06/04/2018 08:59


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LARISSA ANDRELINE MAIA ACELINO
DATA: 04/05/2018
HORA: 15:00
LOCAL: Sala de treinamento (Anexo I) Hospital São Lucas
TÍTULO: DISPARIDADES NO ACESSO ÀS TERAPIAS DE REPERFUSÃO ENTRE PACIENTES COM IAMCSST DA REGIÃO NÃO METROPOLITANA E METROPOLITANA DE SERGIPE.
PALAVRAS-CHAVES: Infarto do Miocárdio. Reperfusão miocárdica. Disparidades em Assistência à Saúde.
PÁGINAS: 77
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

Introdução: Pacientes residentes ou que iniciam sintomatologia para IAM em regiões não metropolitanas enfrentam numerosos obstáculos no acesso aos tratamentos de saúde. Estes podem ser menos propensos a receber terapias baseadas em evidências e experimentar piores resultados, pouco se sabe sobre os indicadores de qualidade assistencial, particularmente em regiões não metropolitanas em Sergipe. Objetivo: Comparar a celeridade no acesso ao hospital com angioplastia, uso das terapias de reperfusão e mortalidade de 30 dias entre os pacientes com IAMCSST que iniciaram os sintomas na região não metropolitana com aqueles que iniciaram na região metropolitana do estado de Sergipe.Método: Utilizou-se dados do Estudo VICTIM (VIa Crucis para Tratamento do Infarto do Miocárdio), realizado no período de dezembro de 2014 a outubro de 2017. A amostragem foi feita por conveniência, utilizando teste χ2 de Pearson e T-Student para análise dos dados, foi adotado nível de significância de 5%.Resultados: Participaram do estudo 878 pacientes, dos quais 382 pacientes iniciaram os sintomas na região metropolitana e 496 na região não metropolitana. O sexo masculino foi predominante em ambos os grupos. Os pacientes da região não metropolitana apresentam maior idade (63±13anos vs. 60,2 ± 12,4, p=0,001) e maior média de GRACE score (146,5 vs.139,7, p<0,001). Além disso, percorreram maiores distâncias (104 ± 58,4km vs. 16 ± 49,3km, p < 0,001), passaram por mais de 1 instituição (96% vs. 73%, p< 0,001) e apresentam maior atraso até o hospital com angioplastia (25 ± 41,1h vs. 18 ± 32,7h, p< 0,001) com isso menor percentual recebeu angioplastia primária (45% vs. 59%, p<0,001). Maior mortalidade de 30 dias (14% vs. 7,7%, p. 0,004) foi evidenciada na população dessa região quando comparada com os pacientes da região metropolitana. Ademais, no modelo multivariado completo, o índice de chances para a mortalidade de 30 dias para o grupo da região não metropolitana também foi maior (OR 1,84, IC 95%, 1,12 a 3,04, p = 0,016).Conclusão: Observou-se disparidades no acesso, no uso das terapias de reperfusão e nas taxas de mortalidade de 30 dias entre pacientes que iniciaram os sintomas na região não metropolitana quando comparados com os da metropolitana em Sergipe. Esses achados podem auxiliar no melhor delineamento da linha de cuidado aos pacientes com IAMCSST, principalmente no que tange à logística de acesso às terapias de reperfusão em Sergipe.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 426692 - ANTONIO CARLOS SOBRAL SOUSA
Externo ao Programa - 2394615 - EDUESLEY SANTANA SANTOS
Interno - 2380197 - JOSELINA LUZIA MENEZES OLIVEIRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5