UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: ISABELA AZEVEDO FREIRE SANTOS
28/02/2018 10:59


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ISABELA AZEVEDO FREIRE SANTOS
DATA: 09/03/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: Influência da estimulação tátil nociva e do uso da sacarose intraoral no desenvolvimento sensório-motor em modelo experimental de dor neonatal.
PALAVRAS-CHAVES: Dor; Recém-nascido; Desenvolvimento infantil; Sacarose.
PÁGINAS: 75
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

Introdução: Recém-nascidos pré-termo são constantemente expostos a procedimentos dolorosos em Unidades de Terapia Intensiva. Apesar disto, as repercussões da dor neonatal em longo prazo e o uso da sacarose como analgésico para dores relacionadas a estes procedimentos são pouco difundidas. Objetivos: 1) Realizar síntese dos dados existentes na literatura (revisão sistemática) a respeito dos efeitos da dor neonatal no desenvolvimento motor em longo prazo; 2) Avaliar os efeitos da sacarose nas funções sensitiva e motora em modelo experimental de dor neonatal desde o nascimento à fase adulta. Método: 1) Busca sistemática de estudos em quatro bases de dados (PubMed, Scopus, Scielo e LILACS) realizada por dois investigadores através dos descritores “Infant, newborn”, “Infant, premature”, “Pain” e “Motor skills”. Para a avaliação metodológica desses estudos, foi utilizada a Newcastle-Ottawa Assessment Scale (NOS). 2) Estudo experimental realizado em ratos filhotes (n=38; 18 machos e 20 fêmeas) submetidos ao modelo experimental de dor neonatal. Os animais foram divididos em quatro grupos: 1) Estimulação tátil nociva + intervenção com sacarose (n=9; 5 machos e 4 fêmeas); 2) Estimulação tátil nociva + intervenção com morfina (n=9; 5 machos e 4 fêmeas); 3) Estimulação tátil nociva + intervenção com água potável (n=9; 3 machos e 6 fêmeas); 4) Controle (estimulação tátil não-nociva) (n=11; 5 machos e 6 fêmeas). Foram avaliados latência térmica (placa quente), limiar de retirada da pata (filamentos von Frey), força muscular (grip strenght meter) e velocidade de deslocamento (monitor de atividades) aos 15, 30, 32, 60, 62, 90 e 92 dias pós-natais. Resultados: 1) Onze artigos foram encontrados, porém após aplicação dos critérios de exclusão, apenas dois artigos foram selecionados. Foram observados baixos escores (NOS ≤ 5) para as coortes analisadas. Foi evidenciada relação direta entre o número de procedimentos dolorosos realizados em neonatos prematuros e menores índices de desenvolvimento motor e cognitivo destes indivíduos aos 18 meses de vida. Foi relatada a reação comportamental à dor neonatal como fator preditivo para melhor qualidade das atividades motoras aos 8 meses. 2) Houve maior latência térmica aos 15 dias nos animais machos do grupo sacarose e menor latência em fêmeas tratadas com sacarose aos 60 dias em relação ao grupo controle. Houve maior limiar de retirada da pata nos animais dos grupos morfina, água e sacarose em relação ao controle. Foram observadas diminuição da latência térmica e do limiar de retirada da pata, aumento da força de preensão e redução da velocidade ao longo do tempo em todos os grupos. Na comparação entre os sexos, evidenciou-se que a partir dos 60 dias pós-natais os animais dos grupos sacarose apresentaram maior latência térmica (machos) e maior velocidade de deslocamento (fêmeas). Nos grupos morfina e controle, houve maior limiar de retirada da pata em fêmeas e machos, respectivamente. Conclusão: A baixa qualidade metodológica e a escassez de estudos publicados permitem afirmar, de forma limitada, que há influência da dor neonatal no desenvolvimento motor desde os primeiros dias de vida até a fase inicial da infância. Sugere-se que a sacarose e morfina possuem efeitos analgésico em curto prazo e anti-hiperalgésico em longo prazo. Recomenda-se a realização de novos estudos para melhor esclarecer os efeitos da sacarose e suas repercussões dependentes do sexo ao longo da vida.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1656787 - JOSIMARI MELO DE SANTANA
Interno - 2693741 - VALTER JOVINIANO DE SANTANA FILHO
Externo ao Programa - 2034694 - KARINA LAURENTI SATO
Externo à Instituição - VITOR ULISSES DE MELO
Externo à Instituição - LUCIANA SAYURI SANADA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5