UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: GLEICIANE DE JESUS SANTANA
09/02/2018 11:14


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GLEICIANE DE JESUS SANTANA
DATA: 21/02/2018
HORA: 08:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: CONTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS MINIMAMENTE PROCESSADOS E ULTRAPROCESSADOS NO RISCO CARDIOMETÁBÓLICO EM ADULTOS JOVENS BRASILEIROS
PALAVRAS-CHAVES: risco cardiometabólico. doenças cardiovasculares. alimentos. indústria de processamento de alimentos.
PÁGINAS: 68
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Nutrição
RESUMO:

Objetivo: associar o consumo de alimentos segundo grau de processamento e o risco cardiometabólico em adultos jovens. Métodos: estudo transversal comparativo com 120 adultos jovens com idade compreendida entre 18 e 25 anos categorizados pela presença do risco cardiometabólico. O consumo alimentar foi avaliado mediante questionário de frequência alimentar semi-quantitativo e classificado segundo extensão do processamento dos alimentos. Comparações bioquímicas, clínicas, antropométricas, de composição corporal e de estilo de vida foram realizadas pelo teste de Mann-Whitney; grupos alimentares e tercis dos gramas de alimentos in natura, minimamente processados, processados e ultraprocessados pelo teste de Kruskal-Wallis. Associações entre o consumo de alimentos segundo grau de processamento e os componentes do risco cardiometabólico foram avaliadas por regressão logística multivariada. Resultados: foi observado o elevado consumo de alimentos ultraprocessados entre os adultos jovens, independente de ter ou não RCM, determinando o maior consumo de lipídeos no risco cardiometabólico (p=0,04). O consumo de ovos, peixes, frutas e sucos naturais não adoçados aumentou proporcionalmente ao consumo dos gramas de alimentos in natura e minimamente processados, enquanto que as massas, carnes processadas, queijos, outras leguminosas, óleos e gorduras, salgados assados e salgadinhos, lanches, preparações típicas, doces e bebidas adoçadas apresentaram acréscimo no seu consumo proporcional ao aumento do consumo dos gramas de alimentos ultraprocessados. O maior consumo de alimentos ultraprocessados foi fator de risco à obesidade abdominal independente de sexo, nível de atividade física e bebida alcoólica (OR=0,92; IC=0,78-1,08). Os alimentos in natura e minimamente processados foram protetores à alterações dos níveis de LDL-c (OR=0,70; IC=0,50-0,98). Conclusão: gorduras provenientes de alimentos ultraprocessados representaram maior contribuição calórica no risco cardiometabólico. Além disso, alimentos ultraprocessados foram fator de risco à obesidade abdominal independente de sexo, atividade física e bebida alcoólica e, os alimentos in natura e minimamente processados foram protetores à alterações dos níveis de LDL-c.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2020866 - ANA MARA DE OLIVEIRA E SILVA
Externo à Instituição - Dennys Esper Corrêa Cintra
Presidente - 1819141 - KIRIAQUE BARRA FERREIRA BARBOSA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5