UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 31 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: PRISCILA FELICIANO DE OLIVEIRA
31/01/2018 06:52


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PRISCILA FELICIANO DE OLIVEIRA
DATA: 02/02/2018
HORA: 14:00
LOCAL: 103 da didática V UFS
TÍTULO: REPERCUSSÕES DO HIPOTIREIODISMO GESTACIONAL EXPERIMENTAL NA FUNÇÃO AUDITIVA DA PROLE DE RATAS
PALAVRAS-CHAVES: Hipotireoidismo. Hipotireoidismo congênito. Cóclea. Perda auditiva. Rato.
PÁGINAS: 105
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fonoaudiologia
RESUMO:

Introdução: Os hormônios tireoidianos (HT) durante a gestação são críticos para o desenvolvimento do órgão da audição. A hipofunção da tireoide neste período leva a má formação do órgão de Corti, caracterizada por alteração no sulco interno, membrana tectorial, ducto colcear, além de dificuldade na diferenciação das células ciliadas. Estas alterações repercutem negativamente no sistema auditivo, que pode culminar em perda auditiva. Desta maneira tem-se um atraso no desenvolvimento infantil que gera desvios na aquisição da linguagem oral e escrita. Objetivo: Avaliar o efeito do hipotireoidismo gestacional experimental na função auditiva da prole adulta em ratos. Material e Método: A pesquisa foi realizada com ratos Wistar e foi aprovada pelo Comite de ética em pesquisa com animais da UFS, sob o número 21/2015. Foi administrado às ratas Wistar prenhes o fármaco antitireoidiano metimazol (0,02% - 1-metilimidazol-2-tiol, em água potável, ad libitum.) do nono dia gestacional (DG) até o dia do parto (21-22DG), e formaram o grupo da prole de maes iduzidas ao hipotireodismo gestacional (PMHG). No grupo até a lactação [prole de maes iduzidas ao hipotireodismo perinatal (PMHLAC)], o fármaco metimazol foi administrado do 9ºDG ao 15º dia pós natal (DPN). Parte dos grupos PMHG e PMHLAC receberam reposição dos HT com Levotiroxina na concentração de 50 µg/100 mL na água de beber. Todos os animais foram submetidos aos seguintes procedimentos: exames de timpanometria, emissão otoacústica por produto de distorção (EOAPD) e potencial evocado auditivo de tronco encefálico (PEATE) nas idades de 30, 60, 90 e 120 DPN. Resultados: Os dados não demonstraram disfunção da orelha média; porém os grupos induzidos ao hipotireidismo apresentaram menores valores de compliância que o grupo PME. EOAPD foi menor no PMHG de 4 a 12 kilohertz (kHz), com ausência de respostas no PMHLAC. Por outro lado, o PEATE revelou integridade das vias auditivas neurais até o nível do tronco encefálico no sistema nervoso central, sem modificação de latência. Além disso, os grupos com hipofunção tireoidiana apresentaram maiores limiares eletrofisiológicos (isto é, perda auditiva), com pior repercussão no grupo PMHLAC. Não foi observada reversão da hipofunção tireoidiana nos grupos que receberam o reposição dos HT, uma vez que apresentaram o mesmo comportamento auditivo funcional que os grupos sem o tratamento com levotiroxina. Conclusão: O hipotireoidismo gestacional altera a função coclear da prole, com normalidade da integridade das vias auditivas até tronco encefálico e presença de perda auditiva.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2771464 - ALINE CABRAL DE OLIVEIRA BARRETO
Externo ao Programa - 1687223 - CARLOS KAZUO TAGUCHI
Presidente - 1333720 - DANIEL BADAUE PASSOS JUNIOR
Externo à Instituição - NELSON D AVILA
Externo ao Programa - 3299441 - RONALDO CARVALHO SANTOS JUNIOR

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12838-31cfbbda77