UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: SIMONE DE SOUZA NASCIMENTO
19/01/2018 13:14


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SIMONE DE SOUZA NASCIMENTO
DATA: 22/01/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: EFEITOS NEUROFISIOLÓGICOS ​DAS TERAPIAS COGNITIVAS NO MANEJO DA DOR
PALAVRAS-CHAVES: ​terapias cognitivas. ​e​spiritualidade. Manejo da dor. cérebro. Oração. Dor crônica
PÁGINAS: 96
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

Contexto: As terapias cognitivas são formas alternativas de gerenciamento da dor e estudos atuais aplicam técnicas de neuroimagem para tentar elucidar seus mecanismos neurais. Apesar da abordagem extensiva no que concerne às associações entre terapias cognitivas e saúde, a aplicabilidade clínica dessa evidência no manejo da dor ainda não está completamente elucidada, além da avaliação dos mecanismos envolvidos e da análise metodológica. O objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia das terapias cognitivas no manejo da dor e sintomas associados, os padrões de ativação cerebral promovidos na modulação da dor, bem como a qualidade metodológica dos artigos selecionados. Métodos: duas revisões sistemáticas de literatura sobre terapias cognitivas e manejo da dor foram realizadas para buscar nas bases de dados - MEDLINE, Pubmed, EMBASE, CINAHL, PsycINFO, Science Direct e Scopus - ensaios controlados randomizados (ECA’s) que examinassem dados de neuroimagem das terapias cognitivas para pacientes com dor crônica ou indivíduos saudáveis com dor experimental. O desfecho primário foi dor e os desfechos secundários foram alterações neurofisiológicas e sintomas como ansiedade, depressão e qualidade de vida. Resultados: Foram encontrados 406 artigos e, destes, 14 preencheram os critérios para inclusão. Os resultados revelaram que a terapia cognitiva reduziu a intensidade e a desagradabilidade da dor, bem como melhorou a tolerância, a expectativa e o desejo de alívio da dor. Além disso, houve melhora da saúde mental, ansiedade, depressão e catastrofismo. Já os dados da neuroimagem revelaram padrões distintos de atividade, mas principalmente relacionados ao aumento da ativação do córtex pré-frontal e sistema límbico na população de dor crônica; aumento da ativação do córtex cingulado anterior, córtex insular anterior e diminuição da ativação do tálamo em indivíduos saudáveis após estratégias cognitivas; além de atividade aumentada em regiões pré-frontais ventriculares após a terapia cognitiva baseada em oração. A avaliação metodológica mostrou moderado risco de viés, com grande heterogeneidade que impossibilitou uma metanálise. Conclusão. A terapia cognitiva reduziu a intensidade e a experiência afetiva da dor. A regulação da dor pelas terapias cognitivas pode alterar o funcionamento das regiões cerebrais em uma rede extensiva, incluindo regiões não-nociceptivas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - Felipe José Jandre dos Reis
Presidente - 1656787 - JOSIMARI MELO DE SANTANA
Externo ao Programa - 2225863 - MURILO MARCHIORO
Externo ao Programa - 2869587 - PATRICIA RODRIGUES MARQUES DE SOUZA
Externo ao Programa - 6186553 - ROSEMEIRE DANTAS DE ALMEIDA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307