UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: INGRID MARIA NOVAIS BARROS DE CARVALHO COSTA
12/12/2017 12:52


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: INGRID MARIA NOVAIS BARROS DE CARVALHO COSTA
DATA: 09/01/2018
HORA: 13:00
LOCAL: SALA DE TREINAMENTO NO HOSPITAL SÃO LUCAS
TÍTULO: Adesão ao tratamento medicamentoso e mudanças de estilo de vida em pacientes com síndrome coronariana aguda
PALAVRAS-CHAVES: Atividade Física. Dieta. Medicação. Prevenção Secundária. Qualidade de Vida. Síndrome Coronariana Aguda.
PÁGINAS: 107
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Nutrição
RESUMO:

Introdução: Existem evidências de que disparidades nos modelos assistenciais podem influenciar na adesão ao tratamento de prevenção secundária após a síndrome coronariana aguda (SCA). Todavia, há carência de estudos nacionais ratificando esta possibilidade. Objetivo: Investigar o nível de adesão ao tratamento medicamentoso e de mudanças de estilo de vida em pacientes com Síndrome Coronariana Aguda assistidos em rede pública e privada de saúde. Metodologia: Estudo observacional, prospectivo e longitudinal em portadores de SCA, atendidos nos hospitais de referência cardiológica em Sergipe, sendo três destinados a usuários do serviço privado e um, do público. A coleta de dados ocorreu na admissão hospitalar, aos 30 e 180 dias após SCA. Os parâmetros dietéticos foram coletados por meio do questionário de frequência alimentar semiquantitativo referente aos seis meses anteriores ao evento agudo, aplicados na admissão e decorridos 180 dias da SCA. A qualidade da dieta foi avaliada com base no Alternative Healthy Eating Index (2010). Os dados de medicação foram coletados e avaliados por meio da Escala de Adesão Terapêutica de Morisky de 8 Itens e a atividade física pelo questionário International Physical Activity Questionnaire–versão curta. A cessação de tabagismo foi verificada pelo questionamento aos pacientes. A QV foi avaliada pelo Medical Outcomes Study 36- Item Short-Form Health Survey (SF-36). A análise estatística foi realizada com os pacientes constituindo dois grupos definidos pelo tipo de assistência: rede pública e privada. Foram aplicados os testes de qui-quadrado de Pearson, exato de Fisher, Teste de Mann-Whitney e Wilcoxon. Elaborou-se modelos de regressão linear múltipla para as variáveis associadas a qualidade global da dieta e para a QV aos 180 dias após a SCA. Elaborou-se, também, modelos de regressão logística múltipla para a adesão a farmacoterapia, à atividade física e cessação de tabagismo. Resultados: Foram estudados 581 voluntários, sendo 325 (55,9%) do serviço privado e 256 (44,1%) do público. Comparados com os pacientes do serviço privado, aqueles do serviço público apresentaram pior qualidade dietética (p<0,001) com menor ingestão de componentes cardioprotetores (legumes e verduras, frutas, grãos integrais) e maior ingestão de itens preditores de risco cardiovascular (carnes vermelhas e processadas, gorduras trans e sódio) (p<0,001). A melhor qualidade global da dieta esteve relacionada ao sexo feminino (p<0,001), a assistência privada (p<0,001), a condição de união estável (p=0,014), a maior escolaridade (p=0,018) e a idade (p<0,001). Os pacientes do serviço privado apresentaram associação com a adesão a farmacoterapia aos 30 (p=0,003) e 180 (p=0,012) dias da SCA, quando comparados com os pacientes do serviço público. Os pacientes do serviço privado, também, apresentaram associação para a adesão a atividade física (p=0,047), mas não houve distinção entre os grupos no abandono ao tabagismo após SCA (p=0,201). Aos 180 dias após SCA, os pacientes do serviço público apresentaram menores escores de QV para todos os domínios (p<0,05), quando comparados com os pacientes do serviço privado. A maior QV esteve associada ao sexo masculino (p≤0,001) e a adesão à atividade física (p≤0,002) para todos os domínios avaliados. A menor idade e período de internamento, ausência de hipertensão, adesão a farmacoterapia, melhor qualidade dietética e a assistência privada estiveram associados a maiores escores de QV. Conclusão: Os pacientes atendidos pelo serviço privado de saúde, comparativamente aos usuários da rede pública, exibiram melhor qualidade dietética, melhor adesão a farmacoterapia, a atividade física e QV após a SCA. Não foi encontrada distinção entre os grupos para a adesão as orientações de cessação de tabagismo. De tal modo, que existem evidências de que possíveis disparidades na qualidade assistencial parecem influenciar nesses achados no Estado de Sergipe.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2221782 - ENALDO VIEIRA DE MELO
Interno - 1819141 - KIRIAQUE BARRA FERREIRA BARBOSA
Presidente - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307