UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: BRUNA MATEUS ROCHA DE ANDRADE
06/12/2017 08:57


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BRUNA MATEUS ROCHA DE ANDRADE
DATA: 18/12/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: Efeito do condicionamento vocal na voz cantada em indivíduos com deficiência isolada e congênita do hormônio do crescimento
PALAVRAS-CHAVES: acústica; canto; hormônio do crescimento; voz
PÁGINAS: 34
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fonoaudiologia
RESUMO:

A voz é produzida pela vibração das pregas vocais, cujo número de ciclos por segundo (Hertz, Hz) corresponde à frequência fundamental (f0) do sinal laríngeo. Os formantes (F) são múltiplos da f0 que indicam zonas de amplificação das vogais no trato vocal, e as medidas jitter e shimmer indicam, respectivamente a medida da perturbação da f0 e a variabilidade da amplitude na intensidade; e a proporção harmônico-ruído mede a irregularidade do sinal da vibração onda sonora. Voz e estatura são características fundamentais para a autoconfiança e aceitação sociais, e ambas são afetadas pela deficiência isolado do hormônio de crescimento (DIGH). Em Itabaianinha existe uma coorte com DIGH, com baixa estatura acentuada e voz aguda, aumento da f0 e formantes, com reduzida qualidade de vida relacionada à voz. Enquanto a voz falada é em geral natural e inconsciente, a voz cantada, se beneficia do condicionamento vocal, pela prática de exercícios vocais para alcançar ajustes laríngeos para o uso da voz sem abuso ou esforço. Na voz cantada existe a modalidade canto coral, em que os sujeitos adultos sem DIGH são divididos em quatro naipes: dois masculino baixos e tenores; dois feminino contraltos e sopranos. O coral infantil apresenta dois naipes, grave e agudo. Como os indivíduos com DIGH apresentam estatura e frequência fundamental similar a criança, especula-se que a distribuição de naipes destes indivíduos seja próxima a de um coral infantil. Por outro lado, espera-se alcançar uma produção vocal na modalidade cantada com vozes equilibradas, com melhora na qualidade vocal e no conforto fonatório. Objetivo geral: Verificar o efeito do condicionamento vocal na voz cantada em indivíduos com DIGH. Objetivos específicos: Classificar os naipes das vozes; Avaliar pré e pós-condicionamento vocal medidas acústicas da f0: Formantes (F) F1, F2, F3 e F4, (Hz); Jitter (%); Shimmer (dB); Proporção harmônico-ruído (PHR, dB). Método: Trata-se de estudo prospectivo longitudinal com intervenção aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Sergipe, realizado em 17 indivíduos (10 mulheres) com DIGH, com média de idade de 49, 8 anos e de estatura 124, 4 cm. Foi realizado a gravação da amostra vocal individual da vogal [é] e vocalizes da vogal [ô], para classificação vocal estabelecendo os naipes do coral para o ensaio de repertório. Previamente a cada ensaio em cinco encontros foi ministrado o condicionamento vocal, mediante o Protocolo de Fonação em Tubo de silicone (SIHVO, 2007). Os momentos de gravação foram divididos em pré-tubo e pós-tubo antes e após condicionamento vocal, respectivamente; e pós-ensaio. A análise acústica foi realizada através do software PRAAT para extração das medidas f0, F1, F2, F3, F4, jitter, shimmer e PHR, nos respectivos momentos. Foi aplicado o teste de Kolmogorov-Smirnov para a verificação da distribuição normal das variáveis, expressos em média (desvio padrão), e as de distribuição não normal, expressas em mediana (distancia interquartílica). ANOVA com pós-teste de Bonferroni ou Teste de Kruskal Wallis foram utilizados para distribuição normal e não normal, respectivamente. A análise estatística foi processada pelo programa SPSS /PCInc. Chicago, IL for Windows, versão 17 (2006). Resultados: Amostra composta por 17 sujeitos, 10 sujeitos do gênero feminino, quanto a classificação vocal contralto (voz grave) e 7 masculino tenor (aguda). Quanto ao efeito do condicionamento vocal, houve significância estatística no F1 (p= 0,011); F2 (p= 0,049) e shimmer (p= 0,045).


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 991949 - JEFERSON SAMPAIO D AVILA
Externo ao Programa - 2361893 - LUIZ ALVES DE OLIVEIRA NETO
Externo ao Programa - 1693695 - SUSANA DE CARVALHO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5