UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 08 de Dezembro de 2022

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: RAELSON LIMA SERRA
21/11/2017 19:53


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAELSON LIMA SERRA
DATA: 23/11/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Laboratório de Fenômenos de Transporte
TÍTULO: APLICAÇÃO DA RADIAÇÃO INFRAVERMELHA NO PROCESSO DE SECAGEM DE RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA DO AÇAÍ
PALAVRAS-CHAVES: agroindústria; caroço de açaí; secagem infravermelho; poder calorifico
PÁGINAS: 94
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Operações Industriais e Equipamentos para Engenharia Química
ESPECIALIDADE: Operações de Separação e Mistura
RESUMO:

A agroindústria é um setor importante para a economia brasileira, promovendo desenvolvimento e crescimento ao país. Dentre as agroindústrias, a produtora de suco de açaí destacou-se nos últimos tempos, uma vez que o consumo de açaí tem alcançado maiores proporções a nível nacional. O caroço do açaí, (Euterpe oleracea), que representa 83% do fruto, é o resíduo mais significativo desta produção, tem sido muito empregado para reaproveitamento, devido o volume descartado pelo setor de produção. Uma solução promissora é utilizar o caroço na forma de biomassa verde, para produção de energia renovável, considerando seu baixo nível de emissão de dióxido de carbono. A biomassa tem sido muito utilizada na produção de energia elétrica, bem como, em bio-etanol por fermentação, bio-óleo por pirólise, e gás de síntese por gaseificação. No entanto, o teor de umidade pode influenciar negativamente nesse processo, havendo necessidade de aplicar um método de secagem para que esse teor de umidade não afete a produção de energia com o material. Dentre as técnicas existentes a secagem por radiação infravermelho (IV) vem se destacando. Assim, o objetivo deste trabalho é avaliar o potencial de aplicação da radiação infravermelho no processo de secagem de resíduos da agroindústria do açaí através de uma abordagem experimental dos aspectos relacionados à transferência de calor e massa e consumo de energia. Portanto, com base nos experimentos realizados foi possível analisar a cinética de secagem dos caroços de açaí a partir da emissão contínua, intermitente de radiação IV a diferentes temperaturas, bem como a influência das velocidades do ar empregadas e avaliar o consumo energético em tais condições. Considerando os aspectos físicos, os caroços de açaí, estão em sua maioria com faixa de diâmetro entre 11 e 12 mm, correspondendo a cerca de 50% do total dos caroços analisados. A umidade inicial está, em média, em 36% (b.u.). E, Para a secagem híbrida, a melhor condição esteve na velocidade do ar de 0.5 m/s e 140°C com maior economia e menor tempo para a partícula atingir a umidade desejada, de 10 a 15% conforme literatura. O encolhimento afetou a difusividade efetiva do material, de forma que para o híbrido os valores encontrados de Deff foram menores quando comparados aos do intermitente e contínuo. O poder calorifico encontrado indica que o caroço possui boas características para ser usado na geração de energia, com possível produção de 46,438 MWh/mês. Os dados evidenciam o potencial das técnicas empregadas para a secagem dos caroços de açaí. Com destaque para a secagem IV associado a convecção que permite maior conservação física das amostras


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1708289 - LUANDA GIMENO MARQUES
Interno - 1452214 - MANOEL MARCELO DO PRADO
Externo ao Programa - 1879181 - LISIANE DOS SANTOS FREITAS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2022 - UFRN v3.5.16 -r18160-36a7f68df5