UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: FÁBIA REGINA DOS SANTOS
11/10/2017 07:27


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FÁBIA REGINA DOS SANTOS
DATA: 17/10/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: Triagem Neonatal para Infecção da Doença de Chagas Congênita: avaliação da prevalência ao nascer e mapeamento das áreas de risco da Região Sul de Sergipe.
PALAVRAS-CHAVES: Doença de Chagas. Trypanosoma Cruzi. Infecção Congênita. Triagem Neonatal. Epidemiologia.
PÁGINAS: 59
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

A doença de Chagas é uma das principais causas de morbi-mortalidade nas Américas com uma prevalência estimada de seis a sete milhões de pessoas infectadas em todo mundo. No Brasil Com a melhora nos controles vetorial e dos bancos de sangue, a transmissão congênita da doença de Chagas vem assumindo papel epidemiológico importante. Considerando a importância epidemiológica da Doença de Chagas e a escassez de dados dessa doença em recém natos na Região Sul de Sergipe, delineou-se o presente estudo. O objetivo do trabalho foi estimar a prevalência da doença de Chagas congênita entre os recém-nascidos e as mães e mapear as áreas de risco por meio da realização da sorologia para doença de Chagas de 3952 neonatos da região Sul do Estado de Sergipe, triados pelo Programa Estadual de Triagem Neonatal de Sergipe no período de julho de 2015 a julho de 2016. Trata-se de um estudo transversal com abordagem quantitativa, onde 3749 e 822 amostras de sangue seco foram submetidas ao teste ELISA IgG e Imunofluorescência Indireta respectivamente. A prevalência da Doença de Chagas em puérpera foi de 0,02%. Não foi encontrada Doença de Chagas nos recém - natos. Porém, a infecção da Doença de Chagas encontrada em mulheres em idade reprodutiva, alerta para a necessidade de estratégias de detecção e tratamento precoce da doença como políticas de Saúde Públicas para prevenção e controle da doença. A detecção da DC por meio do PNTN mostrou ser uma eficiente estratégia. Os resultados obtidos no estudo demostram que Itabaianinha é um Município de Risco para Doença de Chagas na Região Sul de Sergipe.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - GENILDE GOMES DE OLIVEIRA
Interno - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES
Interno - 1511959 - TATIANA RODRIGUES DE MOURA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5