UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: ADRIANA LUCIA DA COSTA SOUZA
04/10/2017 18:23


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ADRIANA LUCIA DA COSTA SOUZA
DATA: 15/09/2017
HORA: 14:00
LOCAL: AUDITÓRIO DO PÓLO DE GESTÃO UFS
TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS PROBIÓTICOS A PARTIR DO CAJU (Anacardium occidentale L.)
PALAVRAS-CHAVES: Probiótico; Gênero Bacillus; Caju (Anacardium occidentale L.); Néctar; Polpa; Novos produtos.
PÁGINAS: 120
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Processos Industriais de Engenharia Química
ESPECIALIDADE: Processos Bioquímicos
RESUMO:

O termo “probiótico” é o origem grega, e significa “para vida”. A definição, atualmente, aceita internacionalmente é a de que os probióticos são microrganismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde do hospedeiro (FAO/WHO, 2002). Tradicionalmente, as culturas probióticas têm sido adicionadas a iogurtes e outros produtos lácteos fermentados. A introdução destes microrganismos em produtos não lácteos permitiria o seu consumo por pessoas intolerantes à lactose, alérgicas às proteínas do leite, hipercolesterolêmicas, que se recusam a ingerir produtos lácteos por razões particulares, como pessoas vegetarianas ou quando estes produtos são inacessíveis. Os sucos de frutas podem representar um meio ideal de veículo de culturas probióticas aos consumidores, uma vez que são consumidos regularmente, sendo este fator essencial para que os probióticos exerçam suas funções. Dessa forma, considerando a relevância dos alimentos funcionais na saúde humana, os benefícios ocasionados pela ingestão de microrganismos probióticos, o apelo de um produto regional e que as fontes alimentares de probióticos ainda são muito limitadas aos produtos lácteos, é de fundamental importância que novos produtos alimentícios probióticos sejam pesquisados, a fim de não só ampliar o mercado desses produtos, mas de servir como opção aos que não podem ou não apreciam o consumo de produtos lácteos. Assim, o objetivo principal deste estudo será de desenvolver um alimento probiótico a partir do caju (Anacardium occidentale L.) com adição de microrganismos probióticos, determinando o crescimento e viabilidade do microrganismo durante o armazenamento, avaliando o Padrão de Identidade e Qualidade e sensorialmente o produto final obtido. Foi feita a inoculação dos probióticos nas polpas e néctares de caju. Foram analisados quanto a viabilidade do microrganismo probiótcio em 24h, 48h, 72h, 7 dias, 15 dias, 21 dias, 30 dias e 60 dias. As análises foram realizadas na Universidade Aberta do Brasil, no laboratório de microbiologia provisório da UFS-Lagarto. Observou a viabilidade do gênero Bacillus durante o tempo do experimento, sendo considerado os produtos probióticos de acordo com a legislação em vigor. Os néctares e polpas de caju inoculados com Bacillus têm um potencial para tornarem-se uma alternativa saudável de produtos probióticos em fontes não lácteas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2178474 - ROBERTO RODRIGUES DE SOUZA
Externo ao Programa - 2021080 - MICHELLE GARCEZ DE CARVALHO
Externo ao Programa - 2030696 - LUCIANA PEREIRA LOBATO
Externo ao Programa - 1966564 - IZABELA MARIA MONTEZANO DE CARVALHO
Externo ao Programa - 426680 - GABRIEL FRANCISCO DA SILVA
Externo ao Programa - 1893205 - CAROLINA CUNHA DE OLIVEIRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5