UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JOSÉ SAMPAIO DE MEDEIROS NETO
14/08/2017 07:58


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOSÉ SAMPAIO DE MEDEIROS NETO
DATA: 30/08/2017
HORA: 10:00
LOCAL: Sala de leitura da biblioteca do PPGCOM - DCOS
TÍTULO: Instâncias de Narração no Jornalismo em Quadrinhos
PALAVRAS-CHAVES: jornalismo em quadrinhos, quadrinhos, teoria narrativa, jornalismo gráfico, estilo
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Comunicação
SUBÁREA: Comunicação Visual
RESUMO:

A presente pesquisa investiga de que maneira as especificidades próprias do pacto de leitura previsto no jornalismo se manifestam no jornalismo em quadrinhos (JQ). Paradigmas como a objetividade, a imparcialidade e a neutralidade, bem como as temporalidades próprias das rotinas produtivas jornalísticas serão tensionados com as características . O primeiro capítulo será dedicado a um histórico das possíveis aproximações entre os dois termos, desde o aparecimento de tirinhas e caricaturas publicadas em jornais, até o processo de legitimação do formato quadrinístico como possibilidade jornalística, institucionalizado com o surgimento do termo jornalismo gráfico e a publicação de diversas reportagens em revistas de grande circulação. Esse processo de consolidação, iniciado por Joe Sacco na década de 90, também será avaliado em seu viés temático. Especial destaque será dado às razões possíveis para uma prevalência de pautas de guerra. O segundo capítulo terá como foco o modo como categorias narrativas são mobilizadas pelo jornalismo gráfico, em especial, os conceitos de estilo gráfico, de narrador-repórter e a noção de construção de mundos. Um primeiro momento será dedicado à tentativa de compreender as diferentes maneiras pelas quais o estilo gráfico pode se manifestar nas narrativas jornalísticas apresentadas em quadrinhos, mais precisamente o modo como os traços autorais podem afetar o registro documental específico no pacto de leitura jornalístico (em contraponto, por exemplo, com regimes supostamente mais realistas, como a fotografia). Para tratar dessas tensões, partimos do conceito de estilo visual gráfico, mais especificamente o conceito de grafiação, encontrado na obra de Philip Marion. Um segundo momento irá investigar a instância da narração propriamente dita, a maneira como o repórter-narrador ou o narrador-repórter enuncia sua história amparada em critérios pertinentes à sua profissão, bem como a natural tensão provocada por disponibilizar um ‘produto’ que se ampara em relatos ‘não-ficcionais’, em um formato normalmente reconhecido por seus enredos fantasiosos. Assim, interessa-nos saber, em especial, como é o processo diegético no jornalismo em quadrinhos, principalmente quando o repórter está nela inserido, criando assim um avatar repórter. Aqui serão fundamentais os conceitos de narração e mostração (Gaudreault, Bordwell) bem como e as tensões entre o que se conta e o que se mostra nos quadrinhos (Groensteen)


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2019547 - GREICE SCHNEIDER
Interno - 1045250 - CARLOS EDUARDO FRANCISCATO
Externo à Instituição - CLÁUDIO RODRIGUES CORAÇÃO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5