UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: MAYRA ALVES SOARES DO AMARAL
11/08/2017 13:19


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MAYRA ALVES SOARES DO AMARAL
DATA: 15/08/2017
HORA: 13:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: Efeitos da musicoterapia na pressão arterial de indivíduos hipertensos: uma revisão sistemática com metanálise
PALAVRAS-CHAVES: Pressão arterial, musicoterapia e hipertensão
PÁGINAS: 34
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

Introdução:A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma doença crônica multifatorial, resultada a partir de vários fatores causador da doença, como fator genético, psicossocial e fatores externos relacionados à exposição ao meio ambiente. Portanto, sabe-se que a atividade física, dieta com redução na ingestão de sal, cessação do tabagismo e medicação, desempenha um papel importante no controle da pressão arterial. No entanto, intervenções alternativas, estão surgindo na literatura científica, como a musicoterapia. Estudos relataram os benefícios da música sobre a pressão arterial em pacientes hipertensos, no entanto, não há metanálise que aborde esse tema. Foi realizado uma revisão sistemática com metanálise para investigar os efeitos da música na pressão arterial indivíduos hipertensos. Métodos: A estratégia de busca foi realizada no Pubmed, Scopus e Bireme (desde a primeira data disponível até fevereiro de 2016) para selecioanar ensaios clínicos randomizados que avaliaram os efeitos da música na pressão arterial sistólica e diastólica em indivíduos hipertensos. Foram selecionados três artigos para metanálise seguindo a estratégia PICOT (população, intervenção, controle, outcomes (resultados) e tipo de estudo), (1) população: indivíduos com HAS (em qualquer estágio sob tratamento anti-hipertensivo ou não); (2) intervenção: musicoterapia, definida por ouvir música como proposta terapêutica; (3) controle: grupo controle sem musicoterapia; (4) desfechos predefinidos: pressão arterial sistólica e pressão arterial diastólica em mmHg através de médias, desvio padrão ou erro padrão; (5) tipo de estudo: Ensaios clínicos randomizados. Os protocolos da musicoterapia apresentaram os mesmos componentes: sessão diária por 4 semanas, durante 25 min, ouvindo música na posição sentada em uma sala silenciosa. Resultados: Os resultados mostraram uma redução significativa na PAS em pacientes hipertensos que reberam a musicoterapia (-6,58 mmHg; IC 95%; -9,38 a -3,79 mmHg; P< 0,0001) quando comparado com sujeitos do grupo controle (que não receberam musicoterapia). Porém, na pressão arterial diastólica não foi observado diferença significativa quando comparado indivíduos do grupo que receberam a musicoterapia (- 1,76 mmHg; IC 95%: -5,61 a 2,09 mmHg; P = 0,37) em relação ao grupo controle. Conclusão: Desta forma, pode-se concluir que a música reduziu a pressão arterial sistólica, porém, ainda são necessários ensaios clínicos de alta qualidade para inserir a música como terapia coadjuvante no tratamento de indivíduos hipertensos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - LUCAS DE ASSIS PEREIRA CACAU
Presidente - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES
Interno - 2013648 - VITOR OLIVEIRA CARVALHO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12692-c69972fb69