UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: ADRIANA MARIA FIGUEREDO BATISTA
08/08/2017 08:29


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ADRIANA MARIA FIGUEREDO BATISTA
DATA: 28/08/2017
HORA: 08:00
LOCAL: Departamento de Nutrição da UFS - SÃO CRISTÓVÃO
TÍTULO: Determinantes de saúde em caminhoneiros do estado de Sergipe: um estudo qualiquantitativo.
PALAVRAS-CHAVES: Determinantes de saúde. Riscos ocupacionais. Transportes. Autopercepção em saúde.
PÁGINAS: 95
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Nutrição
RESUMO:

Diante da rotina laboral extenuante do motorista de caminhão, agregado aos hábitos de vida adversos à saúde, este estudo visa conhecer os determinantes de saúde entre caminhoneiros do estado de Sergipe, bem como a sua percepção acerca do tema. Trata-se de um estudo transversal, com abordagem qualiquantitativa. Foram avaliados os determinantes de saúde relativos às características socioeconômicas, condições de saúde e de trabalho, e escolhas alimentares. Para abordagem qualitativa, utilizou-se a técnica da livre evocação, entrevistas individuais e grupos focais, analisados por meio do software EVOC®, análise do conteúdo e discurso do sujeito coletivo, respectivamente. Participaram 146 caminhoneiros apresentando, de modo geral, baixa escolaridade (7,0±2,9 anos de estudo), excesso de peso (86,8%), hipertrigliceridemia (57,7%), sedentarismo (74,7%), com rotina laboral determinada por extensas rotas (mediana de 700 km), percorridas por longos períodos sem descanso (mediana de 12h), e uso frequente de anfetaminas para inibir o sono (72,6%). Por outro lado, os resultados indicam uma boa percepção sobre a importância das escolhas alimentares adequadas. As informações qualitativas demonstraram uma autopercepção satisfatória sobre a saúde (notas 7,5±1,4), denotada pela ‘ausência de doenças’. Apesar de não possuir um núcleo central definido, a representação social sobre a saúde apontou para atitudes preventivas como autocuidado e a referência ao risco imposto pelas condições de trabalho. Os resultados sugerem perfil de morbimortalidade para enfermidades crônicas e relativa compreensão sobre hábitos saudáveis, no entanto, com dificuldades para colocar em prática, alegando limitações devido às condições de trabalho.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1819141 - KIRIAQUE BARRA FERREIRA BARBOSA
Externo ao Programa - 1315121 - DIVALDO PEREIRA DE LYRA JUNIOR
Externo ao Programa - 2502508 - DEBORAH MÔNICA MACHADO PIMENTEL

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5