UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 29 de Novembro de 2022

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: AMANDA ISABELLY LEITE FIGUEIREDO NASCIMENTO
21/07/2017 17:23


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AMANDA ISABELLY LEITE FIGUEIREDO NASCIMENTO
DATA: 27/07/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do DTA
TÍTULO: PRODUÇÃO DE GOMA XANTANA A PARTIR DE DIFERENTES RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS
PALAVRAS-CHAVES: Biopolímero, aproveitamento, pseudoplasticidade
PÁGINAS: 79
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Processos Industriais de Engenharia Química
ESPECIALIDADE: Processos Bioquímicos
RESUMO:

Goma xantana é o polissacarídeo microbiano sintetizado por bactérias do gênero Xanthomonas e considerado o biopolímero de maior importância comercial nos dias de hoje. Esse destaque é devido, principalmente, a sua capacidade de formar soluções viscosas e estáveis, mesmo em baixas concentrações, em larga faixa de temperatura e de pH. Tem utilização expressiva em diversos segmentos industriais, em especial nas indústrias alimentícia, cosmética e petrolífera. O custo elevado da produção da goma xantana se deve ao substrato utilizado e, por esse motivo, muitas pesquisas têm investigado novas fontes de carbono a partir de resíduos agroindustriais. Além da minimização dos custos de produção, a utilização de fontes alternativas de carbono propiciou a redução dos impactos ambientais causados por essas atividades. O objetivo deste trabalho foi a produção de goma xantana em meios à base de resíduos agroindustriais e suas misturas e posterior estudo de viscosidade aparente do biopolímero obtido. Soro de leite, casca de coco e casca de batata foram empregados neste trabalho como fonte alternativa de carbono, resíduos industriais de alto valor biológico, fácil obtenção e grande disponibilidade, muitas vezes descartados de maneira inadequada. Esse descarte, além de trazer danos à natureza, corresponde ao desperdício de produtos com boas características nutricionais, sendo, portanto, substratos potenciais para a produção de biopolímeros. O estudo da produção a partir de misturas tem como objetivo avaliar se a adição de diferentes fontes de carbono melhora a produtividade e/ou a qualidade da goma obtida, ou se plantas de produção a partir de resíduos agroindustriais deveriam operar com apenas um destes resíduos. O processo fermentativo foi realizado em agitador orbital (shaker) a 200 rpm, utilizando Erlenmeyers de 250 mL, contendo 60 mL de meio de fermentação composto de substrato, 0,01% (m/V) de uréia e 0,1% (m/V) de fosfato de potássio. Foi realizado um planejamento experimental de misturas, do tipo simplex-lattice, variando a composição dos meios fermentativos. Todos os ensaios foram realizados a 28°C, em duplicata, por um período de 72 h. A maior produtividade foi obtida utilizando o soro de leite como substrato fermentativo. Entretanto, a goma obtida não apresentou comportamento pseudoplástico característico, possivelmente devido ao elevado valor nutricional deste substrato Novos estudos para adequação da composição nutricional serão realizados. Para estudo da viscosidade aparente da goma xantana produzida foram preparadas soluções aquosas das gomas na concentração 1% (m/V), a 25°C, para todos os ensaios de fermentação. Para as análises de viscosidade, utilizou-se o viscosímetro digital marca Brookfield acoplado ao software Rheocalc. A goma de melhor qualidade reológica foi a obtida a partir da casca de coco, com um valor de 291,14 cP a 25 s-1 de taxa de cisalhamento. Observou-se que a mistura casca de coco e casca de batata aumentou a qualidade reológica da goma em comparação com a obtida quando da utilização apenas da casca de batata como substrato fermentativo. Os resultados indicaram que há potencial para utilização de combinações de fontes de carbono com a finalidade de aumentar o rendimento e/ou a qualidade da goma.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2468009 - ANTONIO MARTINS DE OLIVEIRA JUNIOR
Interno - 2178474 - ROBERTO RODRIGUES DE SOUZA
Externo à Instituição - DIEGO DE FREITAS COELHO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2022 - UFRN v3.5.16 -r18154-6e174eae4e