UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 14 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: ERIKA DORATHY AVELINO SANTOS
21/06/2017 14:05


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ERIKA DORATHY AVELINO SANTOS
DATA: 17/07/2017
HORA: 09:00
LOCAL: DTA
TÍTULO: ESTUDO DA VIABILIDADE DA GOMA DE CAJUEIRO COMO MATERIAL DE PAREDE NA MICROENCAPSULAÇÃO POR COACERVAÇÃO COMPLEXA
PALAVRAS-CHAVES: Agentes encapsulantes; coacervação complexa; goma de cajueiro; gelatina; corante
PÁGINAS: 101
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Ciência de Alimentos
ESPECIALIDADE: Química, Física, Fisico-Química e Bioquímica dos Alim. e das Mat-Primas Alimentares
RESUMO:

A microencapsulação é uma técnica amplamente utilizada atualmente, por causa de suas inúmeras vantagens e propriedades, sendo que a propriedade mais almejada é a liberação controlada do material ativo. A microencapsulação por coacervação complexa é um método que vem sendo muito utilizado devido a sua capacidade de carga que pode chegar a 99% e além disso há a possibilidade de liberação controlada através de stress físico. A coacervação complexa acontece através da interação eletroestática gerada por dois componentes de cargas opostas, o material ativo nesse tipo de microcápsulas deve possuir caráter lipossolúvel e os agentes encapsulantes devem formar um filme coeso com o material a encapsulado, ser quimicamente compatível, não reagir com o núcleo e oferecer propriedades desejáveis de revestimento, como flexibilidade, impermeabilidade, resistência e estabilidade. Os principais agentes encapsulantes utilizados para essa técnica são a goma arábica e gelatina. Entretanto a goma arábica é umbiopolímero de alto custo comercial. O presente trabalho teve por objetivo testar a viabilidade da utilização da goma de cajueiro como agente encapsulante pelo método de coacervação complexa e avaliar qual o tipo de gelatina é mais conveniente para ser utilizado como carga oposta na formação do coacervado, usando como material ativo uma solução oleosa do corante urucum. Foram realizados testes de bancada para avaliar qual a metodologia melhor se aplicava a cada um dos sistemas, então foram escolhidas 2 metodologias adaptadas que melhor se adequaram a cada tipo: gelatina tipo A e gelatina tipo B. Então foi feito um planejamento experimental composto por dez pontos, sendo uma duplicata no ponto central, destes dez pontos foi escolhido o melhor ponto para fazer a análise de estudo de prateleira acelerado. As amostras escolhidas foram submetidas à um armazenamento com presença e ausência de luz. E submetidas à análise de eficiência de encapsulação, cor, higroscopicidade e solubilidade em água. Através desse estudo pode-se concluir que a microencapsulação por coacervação complexa é viável com a goma de cajueiro e ambos os tipos de gelatina.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1548928 - PATRICIA BELTRAO LESSA CONSTANT
Interno - 2481282 - ALESSANDRA ALMEIDA CASTRO PAGANI
Externo ao Programa - 426680 - GABRIEL FRANCISCO DA SILVA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15368-99f189d34b