UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: PRISCILA OLIVEIRA PERCOUT
20/06/2017 08:42


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PRISCILA OLIVEIRA PERCOUT
DATA: 05/07/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: “AVALIAÇÃO DO PERFIL DE LINFÓCITOS T E CÉLULAS NK EM PACIENTES PORTADORES DE ANEMIA FALCIFORME”
PALAVRAS-CHAVES: Anemia falciforme, subpopulações de linfócitos, linfócito T, citometria de fluxo.
PÁGINAS: 49
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

INTRODUÇÃO: A anemia Falciforme (AF) trata-se de uma doença genética em que sua alteração molecular primária é representada pela substituição de uma única base no codón 6 do gene da globina β, levando a formação da hemoglobina S (HbS), porém a associação com homozigose para S ou heterozigose de S com outras hemoglobinopatias, ficou conhecida como Doença Falciforme (DF). A HbS quando desoxigenada torna-se insolúvel e agrega-se em longos polímeros. A polimerização é fundamental na fisiopatologia, resultando em alteração da forma do eritrócito e na redução de sua deformabilidade, promovendo o fenômeno de vaso-oclusão. Este evento envolve interações complexas entre o eritrócito, o endotélio e leucócitos, logo os tecidos não são apenas expostos a má perfusão, mas sim, a uma resposta inflamatória associada a lesão endotelial, a citocinas, fatores de cresmimento e adesão celular. Assim o conhecimento da participação de cada linhagem de linfócitos T e celulas NK pode contribuir para o entendimento da sua fisiopatologia, além de futuras estratégias terapêuticas. OBJETIVO: O objetivo principal deste trabalho é avaliar o perfil de linfócitos T (auxiliar e citotóxico), células natural killer (NK) e linfócitos muitifuncionais em pacientes portadores de AF. MÉTODOS: Trata-se de um estudo seccional, no qual foram avaliadas amostras de sangue periférico de pacientes homozigotos para HbS (SS), de heterozigoto –HbAS (AS), as quais foram comparadas com amostra de indivíduo saudável –HbAA (AA). A amostra do paciente SS foi coletada na ausência de crise álgica, infecção e internação nas últimas quatro semanas. A determinação dos subtipos de linfócitos foi realizada inicialmente com preparação de PBMC seguida de imunofenotipagem por citometria de fluxo. RESULTADOS: Com relação ao perfil de linfócitos T CD4 e linfócitos T CD8, foi obtido os seguintes resultados, respectivamente: SS 22,0% e 19,7%; AS 39,4% e 22,9%; AA 33,6% e 29,8%. Já com relação as células multifuncionais não foram observadas percentuais representativos desta população. Nos pacientes homozigotos foi evidenciado aumento na frequência de células NK (SS 2,9%, AS 0,60% e AA 0,004%).


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 3113466 - KLEYTON DE ANDRADE BASTOS
Externo à Instituição - SIMONE SANTANA VIANA
Interno - 1511959 - TATIANA RODRIGUES DE MOURA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307