UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 17 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ALEX SOUZA DE JESUS
29/05/2017 08:54


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALEX SOUZA DE JESUS
DATA: 12/06/2017
HORA: 09:00
LOCAL: SALA 1 - PPGAGRI
TÍTULO: Composição química e toxicidade do óleo essencial de Genipa americana L. sobre Aceria guerreronis Keifer (Acari: Eriophyidae)
PALAVRAS-CHAVES: potencial acaricida, ácaro-da-necrose-do-coqueiro, iridóides, jenipapo, frutas tropicais.
PÁGINAS: 99
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

O jenipapeiro (Genipa americana L. – Rubiaceae) é uma espécie frutífera nativa, com distribuição na América Central e do Sul, e de cultivo predominantemente extrativista. Além da importância medicinal, possui potencial para restauração de áreas degradadas, produção madeireira, corante natural e alimentação. Como forma de conservação dos recursos genéticos da espécie, desde 2009 a Embrapa Tabuleiros Costeiros mantém o Banco Ativo de Germoplasma de Jenipapo (BAGJenipapo), fiel depositário da espécie no Brasil. Atualmente consta de 227 indivíduos que representam 24 acessos oriundos de diferentes Estados/regiões do país. Diversos compostos com ação farmacológica são encontrados nas folhas e frutos, como os taninos, manitol, metil-ésteres e principalmente iridóides, característicos da família Rubiaceae. Devido ao uso popular da espécie e do potencial terapêutico verificado em estudos químicos e farmacológicos, objetivou-se identificar a composição química e avaliar a atividade acaricida do óleo essencial de G. americana em Aceria guerreronis (Acari: Eriophyidae), considerado um sério problema para a cultura do coqueiro (Cocos nucifera L.), da qual o Brasil apresenta destaque na produção mundial. Este eriofídeo, é uma das mais graves pragas chaves do coqueiro, principalmente nas Américas e na África. No coco, as populações A. guerreronis desenvolvem-se nos tecidos meristemáticos, sob o perianto dos frutos, que tornam-se necrosados e perdem o valor comercial. O controle químico é o único meio eficaz de controle desta praga, no entanto, não é sustentável por que são necessárias aplicações frequentes, além do elevado custo e pode ocasionar o aparecimento da resistência e o surgimento de pragas. Para solucionar este problema sugere-se o manejo integrado de pragas por meio do controle químico e biológico. A busca de compostos fitoquímicos com atividade acaricida, presentes em óleos essenciais e extratos de espécies vegetais torna-se importante fonte para contribuir com o controle do ácaro-da-necrose-do-coqueiro de forma mais barata e menos tóxica ao ser humano e ao ambiente.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 638.148.201-00 - ADENIR VIEIRA TEODORO
Interno - 523.499.506-20 - ANA DA SILVA LEDO
Presidente - 461.265.383-15 - ANA VERUSKA CRUZ DA SILVA MUNIZ
Externo à Instituição - JOSÉ GUEDES DE SENA FILHO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16088-62c448d53e