UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: FABÍOLA SANTOS GABRIEL
10/05/2017 10:01


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FABÍOLA SANTOS GABRIEL
DATA: 02/06/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: Placa Aterosclerótica à Angiotomografia de Coronárias em Pacientes com Escore de Cálcio Zero
PALAVRAS-CHAVES: Doença das coronárias; Tomografia computadorizada múltidetectores; Placa aterosclerótica
PÁGINAS: 72
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

Fundamento: Diante da alta mortalidade por Doenças Cardiovasculares no mundo faz-se necessário a estratificação dos principais fatores de riscos e escolha correta da modalidade diagnóstica. Diversos estudos demonstraram que escore de cálcio (EC) zero caracteriza baixo risco de eventos cardiovasculares. No entanto, a frequência de indivíduos portadores de placa aterosclerótica coronária com EC zero é conflitante na literatura médica especializada.Objetivo: Avaliar a frequência de placa aterosclerótica coronária e fatores associados em portadores de EC zero, assim como determinar o grau de obstrução das mesmas.Métodos: Trata-se de estudo transversal, prospectivo e com 367 voluntários portadores de EC zero mediante a realização de EC e angiotomografia computadorizada de coronárias (ATCC), no período de 2011 a 2016, em quatro centro de imagens. A amostra foi obtida por conveniência e de forma consecutiva.Resultados: A frequência de placa aterosclerótica nas artérias coronárias dos 367 pacientes com EC zero foi de 9,3% (34 indivíduos); neste subgrupo a média de idade foi de 52±10 anos, 18 (52,9%) eram mulheres e 16 (47%) exibiam obstruções coronarianas significativas (> 50%), alguns em mais de um segmento. A frequência de não obesos (90,6% vs 9,4%; p=0,037) e de etilistas (55,9% vs 44,1%; p=0,015) foi significativamente maior nos portadores de placa aterosclerótica, apresentando, cada variável, odds ratio de 3,4 para o desenvolvimento das referidas placas. Conclusões: A frequência de placa aterosclerótica com EC zero foi considerável, evidenciando que a ausência de calcificação, mediante a ATCC, não exclui placa e nem lesão obstrutiva principalmente nos não obesos e etilistas.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 426692 - ANTONIO CARLOS SOBRAL SOUSA
Externo ao Programa - 2221782 - ENALDO VIEIRA DE MELO
Presidente - 2380197 - JOSELINA LUZIA MENEZES OLIVEIRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5