UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 13 de Junho de 2021


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: GLEISE KELY DA CRUZ SILVA
17/04/2017 14:47


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GLEISE KELY DA CRUZ SILVA
DATA: 03/05/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Laboratório de Flavor (LAF)
TÍTULO: PERFIL DE VOLÁTEIS, DE AROMA, DE ÁCIDOS GRAXOS E DE TOCOFEROIS EM ÓLEOS OBTIDOSPOR PRENSAGEM A FRIO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS DE MANGABA (Hancornia speciosa)
PALAVRAS-CHAVES: análise sensorial, cromatografia a gás, espectrometria de massas, caracterização físico-química
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Tecnologia de Alimentos
ESPECIALIDADE: Aproveitamento de Subprodutos
RESUMO:

Sergipe produz aproximadamente 352 toneladas de mangaba ( Hancornia speciosa) por ano, sendo o maior produto desse fruto no Brasil. Grande parte dessa produção é industrializada na forma de polpa congelada, promovendo impacto positivo na economia do Estado. Entretanto, a industrialização da mangaba gera resíduos que se não forem adequadamente tratados, provocam problemas ambientais. Uma parte considerável dos resíduos agroindustriais da mangaba é constituída pelas sementes do fruto; estas apresentam alto teor lipídico, e em princípio, poderiam ser utilizadas como matéria prima para extração de óleo. O objetivo do presente trabalho é avaliar o potencial das sementes dos resíduos agroindustriais da mangaba para a produção de óleo, a ser utilizado em aplicações culinárias ou cosméticas. Sementes de mangaba serão obtidas junto a uma agroindústria de Aracaju, Sergipe. As sementes serão submetidas à secagem sob fluxo de ar a 60°C, em secador Pardal PE 100, até que o material atinja umidade inferior a 10%. As sementes desidratas serão moídas em moinho de facas (Willey, TE 650) equipado com peneira mesh 20 (0,85mm) e submetidos à prensagem a frio em prensa hidráulica (MARCON, modelo MPH-30) a uma força de 30 toneladas. Os óleos obtidos serão caracterizados quanto à densidade relativa, índice de refração, teor de umidade, índices de acidez, de saponificação e de iodo. Será determinado o perfil de ácidos graxos e a capacidade antioxidante do óleo pelos métodos DPPH e ORAC. Os compostos voláteis presentes no “headspace” do óleo serão identificados comparativamente à polpa processada. Para o isolamento dos voláteis será utilizada a técnica de microextração em fase sólida (SPME) utilizando a fibra DVB/Carboxen/PDMS. Os voláteis serão separados em colunas capilares DB-5 e DB-Wax, e analisados em um sistema GC-MS (Agilent, modelo GC 7890A/5975C). A identificação dos voláteis será realizada por meio dos espectros de massa disponíveis na biblioteca NIST/EPA/NIH do CG-MS, versão 2.0, 2008, dos índices de retenção linear obtidos experimentalmente e na literatura científica, e dos espectros e índices de retenção linear de padrões puros. Julgadores treinados determinarão o perfil de aroma dos óleos comparativamente ao de outros óleos comerciais. O perfil de aroma do óleo da semente de mangaba será comparado ao de óleos comerciais. Os resultados obtidos, associados a informações da literatura cientifica, irão definir o potencial do óleo da semente da mangaba para uso em aplicações na culinária gourmet e/ou na indústria cosmética.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1786979 - MARIA APARECIDA AZEVEDO PEREIRA DA SILVA
Interno - 6330812 - NARENDRA NARAIN
Externo à Instituição - MARIA TEREZINHA SANTOS LEITE NETA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15368-99f189d34b