UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: CAMILA MATOS
20/02/2017 09:56


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAMILA MATOS
DATA: 22/02/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do PROEE
TÍTULO: Análise de Risco Ecológico como ferramenta de avaliação da qualidade ambiental do rio Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: limnologia, ecotoxicologia aquática, diagnóstico ambiental
PÁGINAS: 80
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia de Ecossistemas
RESUMO:

Estudos de caracterização dos rios e suas comunidades biológicas são fundamentais para compreender o ecossistema e permitir o desenvolvimento de propostas de conservação. Apesar de vulnerável, o semiárido brasileiro carece de estudos sobre seus ecossistemas fluviais, e muitos cursos d’água de importantes bacias hidrográficas permanecem sem estudos detalhados. Nesse contexto, esse estudo teve como objetivo avaliar o grau de degradação e o risco ambiental do rio Sergipe, um importante curso d’água parcialmente inserido na região semiárida do nordeste brasileiro, utilizando dados limnológicos, ecotoxicológicos e biológicos. Para isso, foram escolhidos sete pontos no eixo nascente-foz do rio Sergipe, onde foram feitas medidas in situ e coletadas amostras de água, sedimento e de organismos bentônicos. Foram realizadas duas campanhas de amostragem, uma sob influência do período de seca (abril de 2013) e outra sob influência das chuvas (agosto de 2014), permitindo uma análise espacial e temporal do sistema. Os parâmetros limnológicos foram submetidos a uma Análise de Componentes Principais (PCA), a fim de avaliar como estes dados organizam-se espacialmente. Para os estudos ecotoxicológicos, foram realizados testes de toxicidade crônica de curta duração com o organismo-teste Poecilia reticulata (peixe), a fim de analisar a mortalidade e possíveis alterações na biometria dos indivíduos. Já os organismos bentônicos foram identificados e analisados através do cálculo de índices de diversidade. Por fim, foi desenvolvida uma Análise de Risco Ecológico (ARE) utilizando a abordagem da tríade, na qual dados de diferentes linhas de evidências (química, ecotoxicológica e ecológica) são integrados a fim de fornecer o risco ecológico final para o ambiente. Os resultados mostraram que o rio Sergipe encontra-se divido em três trechos distintos de caracterização das suas águas, sendo possível observar uma deterioração da qualidade das águas da montante para jusante. A região de cabeceira, que sofre influência do regime intermitente, apresentou valores mais preocupantes por apresentar elevadas concentrações de compostos nitrogenados e iônicos, que resultaram em toxicidade nos bioensaios realizados. No geral, o período de seca mostrou-se mais crítico em relação ao período chuvoso, provavelmente em decorrência de uma maior diluição do sistema durante as chuvas. Já a ARE indicou um risco ecológico intermediário nos dois períodos, com alta contribuição da linha de evidência ecológica para a maioria dos pontos de coleta. Sendo assim, os resultados deste trabalho apontam para a necessidade de desenvolver programas de monitoramento ambiental no rio Sergipe, visto seu grau de vulnerabilidade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2081991 - ANDREA NOVELLI
Interno - 1687626 - MARCELO FULGENCIO GUEDES DE BRITO
Externo à Instituição - HAROLDO LOBO DOS SANTOS NASCIMENTO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9