UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: RANNA HEIDY SANTOS BEZERRA
20/02/2017 09:52


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RANNA HEIDY SANTOS BEZERRA
DATA: 21/02/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 08 da Didática VI
TÍTULO: Voláteis induzidos por herbivoria de ácaros fitófagos (Acari: Tetranychidae) em plantas de mandioca
PALAVRAS-CHAVES: defesas indiretas; compostos orgânicos voláteis; Manihot esculenta; Mononychellus tanajoa; Tetranychus urticae; Tetranychus gloveri.
PÁGINAS: 52
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia Aplicada
RESUMO:

As plantas normalmente liberam um conjunto de voláteis para a atmosfera que pode diferir qualitativa e quantitativamente dos voláteis que são induzidos por herbivoria. Esses conjuntos são específicos, variando de acordo com as espécies de plantas e herbívoros, e os estágios de desenvolvimento e condições dessas espécies. Tais especificidades são importantes na mediação de interações específicas entre plantas, herbívoros, inimigos naturais e outras plantas, uma vez que os compostos induzidos podem atrair predadores e parasitóides, repelir herbívoros e mediar a comunicação entre plantas vizinhas e diferentes partes de uma mesma planta. A mandioca (Manihot esculenta) é uma planta nativa do Brasil, sendo cultivada em todas as regiões, destacando-se a região Nordeste, com importante papel na alimentação humana e animal, como matéria-prima para produtos industriais e geração de emprego e renda. Diversos estudos têm sido realizados com o objetivo de identificar os compostos voláteis induzidos por herbivoria e observar a sua influência no comportamento dos herbívoros e seus inimigos naturais. No presente trabalho buscou-se identificar os voláteis induzidos pela herbivoria dos ácaros Mononychellus tanajoa, Tetranychus urticae e T. gloveri em plantas de mandioca, bem como a influência dos perfis emitidos no comportamento do ácaro predador Neoseiulus idaeus. Após a coleta de voláteis foram identificados dezoito compostos liberados pelas plantas de mandioca sadias e submetidas à herbivoria, pertencentes ao grupo dos monoterpenos, sesquiterpenos, aldeídos, álcool e fenilpropanóide. Foi observado que as plantas com herbivoria emitiram novos compostos que não foram liberados pelas plantas sadias. Ao analisar os compostos individualmente foi encontrada diferença significativa na emissão de salicilato de metila pelas plantas com herbivoria de M. tanajoa e T. gloveri, e 3-hexen-1-ol pelas plantas com herbivoria de T. urticae, além da emissão de trans-b-ocimeno e b-ocimeno pela última espécie. As respostas comportamentais dos predadores aos voláteis induzidos por herbivoria são flexíveis e a composição da mistura de compostos pode influenciar essa resposta, porém não foram observadas diferenças significativas na preferência olfativa do predador N. idaeus a nenhum dos tratamentos testados.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2019137 - BIANCA GIULIANO AMBROGI
Externo à Instituição - ADENIR VIEIRA TEODORO
Externo à Instituição - DELIA MILAGROS PINTO ZEVALLOS
Externo à Instituição - ANDREA YU KWAN VILLAR SHAN

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9