UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Junho de 2021


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JESSICA CHAPELEIRO PEIXOTO QUEIROZ
17/02/2017 08:22


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JESSICA CHAPELEIRO PEIXOTO QUEIROZ
DATA: 17/02/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 01 do Polo de Gestão
TÍTULO: Efeito do estresse hídrico nas respostas ecofisiológicas e bioquímicas do Pajeú (Triplaris gardneriana Wedd.)
PALAVRAS-CHAVES: Caatinga, déficit hídrico, ecofisiologia, relações hídricas.
PÁGINAS: 19
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia de Ecossistemas
RESUMO:

Este estudo tem o objetivo de avaliar as respostas ecofisiológicas e bioquímicas do pajeú (Triplaris gardneriana Wedd.) através de experimento desenvolvido em casa de vegetação na Universidade Federal de Sergipe, com o intuito de entender as estratégias de adaptação utilizadas por esta espécie quando submetida a déficit hídrico, situação similar à de seu ambiente natural, a Caatinga. O delineamento experimental consiste de quatro tratamentos (T0: 100% de reposição da água perdida por evapotranspiração; T1: 50% de reposição; T2: 25% de reposição e T3: sem reposição da água perdida por evapotranspiração), cada um com 6 réplicas, totalizando 24 plantas. Serão avaliados os seguintes parâmetros: potencial hídrico, teor relativo de água, condutância estomática, fotossíntese, transpiração, tolerância protoplasmática foliar, fluorescência da clorofila a e acúmulo de solutos orgânicos (carboidratos, proteínas e prolina) para o ajustamento osmótico. Espera-se como resultado da pesquisa que os grupos submetidos ao estresse hídrico apresentem menores taxas de fotossíntese, de condutância estomática e de transpiração, assim como maiores índices de concentração interna de CO2, quando comparadas ao grupo controle. Em relação aos parâmetros bioquímicos, é esperado que os grupos com estresse (moderado e severo) desenvolvam a estratégia de ajustamento osmótico, acumulando solutos como a prolina e açúcares como mecanismo para permitir o influxo de água. Por fim, espera-se entender mecanismos da membrana plasmática, a fim de mensurar sua resistência quando submetidas a um déficit de água.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2207731 - CARLOS DIAS DA SILVA JUNIOR
Externo ao Programa - 1712587 - ELIZAMAR CIRIACO DA SILVA
Externo ao Programa - 1562875 - LUIZ FERNANDO GANASSALI DE OLIVEIRA JUNIOR

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9