UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: RENATA CARDOSO BARACHO LOTTI
14/02/2017 13:31


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RENATA CARDOSO BARACHO LOTTI
DATA: 20/02/2017
HORA: 08:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU sala 27
TÍTULO: ESTIMUALAÇÃO ELÉTRICA NERVOSA TRANSCUTÂNEA PARA DOR ABDOMINAL APÓS O PARTO CESARIANA: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO E REVISÃO SISTEMÁTICA COM META-ANÁLISE.
PALAVRAS-CHAVES: cesariana, dor, dor abdominal, estimulação elétrica nervosa transcutânea.
PÁGINAS: 104
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

A cesariana é um procedimento cirúrgico associado a alta intensidade de dor abdominal, que não é completamente aliviada com medicamentos. Portanto, estratégias não farmacológicas para analgesia adicional podem ser usadas, tal como a estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS). Os objetivos deste estudo foram analisar o efeito analgésico da TENS na dor abdominal pós-cesariana quando aplicada no abdome ou na região paravertebral e em intensidade sensitiva ou motora, assim como seu efeito analgésico na intensidade de dor em repouso e em movimento, na dor profunda, na sensibilidade cutânea e na amplitude de movimento, além de analisar risco de viés, bem como a evidência científica, de ensaios clínicos que investigaram o efeito da TENS na dor abdominal pós-cesariana. Para a meta-análise, foi realizada uma pesquisa sistemática em seis bases de dados, além da busca manual e no google acadêmico. Nove ensaios clínicos aleatórios publicados até dezembro de 2016, que investigaram o efeito da TENS no alívio da dor abdominal pós-cesariana comparado ao grupo controle ou placebo foram incluídos. Foi realizada análise de risco de viés dos estudos incluídos por meio da ferramenta da Colaboração Cochrane e uma meta-análise para dados da intensidade de dor foi realizada com base em quatro destes estudos. No ensaio clínico controlado com distribuição aleatória e duplamente encoberto, foram medidos os seguintes desfechos (com os respectivos instrumentos) antes e após uma única aplicação da TENS: intensidade de dor incisional e profunda no repouso e no movimento (escala numérica), limiar de dor por pressão (algômetro digital), limiar sensitivo cutâneo (filamentos de von Frey), somação temporal (teste de somação temporal - algômetro digital) e amplitude dos movimentos de flexão anterior e rotação do tronco (flexímetro). No ensaio clínico, foram incluídas 80 puérperas de cesariana distribuídas em quatro grupos (TENS peri-incisional (n=20), TENS parvertebral sensitivo (n=20), TENS paravertebral motor (n=20) e TENS placebo (n=20)). Na análise intragrupo, foram observadas as seguintes alterações: redução da intensidade de dor nos três grupos tratados com TENS ativa, no repouso (grupos peri-incisional e paravertebral motor) e no movimento (grupo paravertebral sensitivo); redução do limiar sensitivo cutâneo no ponto próximo à incisão (grupo peri-incisional), e nos pontos distantes da incisão (grupos peri-incisional e paravertebral motor). No limiar de dor por pressão, a pressão aumentou no grupo peri-incisional, e a intensidade de dor durante a pressão aplicada diminuiu nos grupos paravertebral sensitivo e motor. A amplitude do movimento de rotação para a direita aumentou no grupo paravertebral sensitivo, e a dor nos movimentos de rotação para a esquerda (grupos peri-incisional e paravertebral sensitivo e motor) e de rotação para a direita (grupos peri-incisional e paravertebral sensitivo) diminuiu. A somação temporal não alterou em nenhum dos grupos. No ensaio clínico, a estimulação ativa com TENS favoreceu redução da intensidade de dor, aumento do limiar de dor por pressão, da sensibilidade cutânea e menos dor durante os movimentos avaliados na maioria dos grupos em que a TENS foi usada ativamente. Ao estimular a região paravertebral em limiar sensitivo, a TENS parece apresentar melhor efeito analgésico. Os resultados da meta-analise evidenciaram a não efetividade da TENS na redução da intensidade de dor comparado ao placebo (MD = 2,07, 95% CI: 0,06 to 4,08, p = 0,04, I2 = 99%) e baixa qualidade da evidência foi verificada.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANA CAROLINA SARTORATO BELEZA
Externo ao Programa - 1835547 - ANA SILVIA MOCCELLIN
Presidente - 1656787 - JOSIMARI MELO DE SANTANA
Interno - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES
Externo ao Programa - 2137199 - PAULA SANTOS NUNES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5