UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 28 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: VANESSA DOS SANTOS VIANA
10/02/2017 13:48


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VANESSA DOS SANTOS VIANA
DATA: 23/02/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do CCBS/HU
TÍTULO: IMPACTO DA SAÚDE BUCAL NA QUALIDADE DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM AUTISMO
PALAVRAS-CHAVES: transtorno autístico, qualidade de vida, saúde bucal.
PÁGINAS: 57
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
RESUMO:

Introdução: Estudos que avaliem a percepção dos cuidadores sobre a qualidade de vida relacionada à saúde oral (QVRSO) de crianças e adolescentes com autismo são necessários para que se melhore o cuidado desta população. Objetivo: Este estudo transversal foi desenhado para avaliar o impacto da cárie dental, higiene oral e características socioeconômicas e demográficas sobre a qualidade de vida de crianças e adolescentes com autismo usando seus pais / cuidadores como proxies. Métodos: Uma amostra de conveniência incluindo 40 crianças e adolescentes de 6 a 14 anos de idade com autismo foi selecionada entre dezembro de 2015 e novembro de 2016. Para avaliação da QVRSO foram utilizados o Parental-Caregivers Perceptions Questionnaire (P-CPQ) e o Family Impact Scale (FIS). O exame clínico oral das crianças e adolescentes foi realizado para mensuração da prevalência de cárie e avaliação da higiene oral. Resultados: O escore global para o P-CPQ variou de 0 a 63, com uma média (DP) de 13.52 (9.05). 97.5% das mães relataram que as condições orais tiveram um impacto (P-CPQ > 0) na qualidade de vida relacionada à saúde. Um aumento dos anos de escolaridade (P = 0.016) esteve associado a uma maior percepção em relação à QVRSO. A maioria das crianças e adolescentes com autismo não tinham experiência de cárie e apresentavam boa a moderada higiene oral. Não foram encontradas diferenças nos escores de QVRSO de acordo com o status de higiene oral e prevalência de cárie dentária. Conclusão: Este estudo sugere que o conhecimento dos cuidadores tem um papel importante sobre a QVRSO de crianças e adolescentes com autismo. Estudos com maiores amostras são necessários para avaliar a influência de outras medidas de saúde oral sobre a qualidade de vida desta população.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALINA LUCIA OLIVEIRA BARROS
Interno - 1783432 - PAULO HENRIQUE LUIZ DE FREITAS
Presidente - 3545451 - PAULO RICARDO SAQUETE MARTINS FILHO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12762-01b8f192c5