UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 29 de Novembro de 2022

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: THAYNAH SILVEIRA DE OLIVEIRA
06/02/2017 10:51


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THAYNAH SILVEIRA DE OLIVEIRA
DATA: 23/02/2017
HORA: 08:30
LOCAL: Sala 2 do Bloco F no NUPEG/UFS
TÍTULO: ESTUDO DA PRODUÇÃO DE ENZIMAS AMILOLÍTICAS UTILIZANDO RESÍDUO AGROINDUSTRIAL (MANIPUEIRA) ATRAVÉS DE FERMENTAÇÃO SUBMERSA
PALAVRAS-CHAVES: Enzimas; Amilases; Manipueira; Fermentação.
PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Operações Industriais e Equipamentos para Engenharia Química
ESPECIALIDADE: Operações Características de Processos Bioquímicos
RESUMO:

As enzimas, em sua maioria, são de grande importância para a indústria, e muitos são os trabalhos relatando o potencial e aplicabilidade de todo tipo de enzimas: amilolíticas, celulolíticas, lipolíticas e proteolíticas na indústria farmacêutica, têxtil, couro, papel, mineral, alimentícia e química.

Segundo Maarel et al. (2002) e Balkan e Ertan (2007), as amilases estão em posição de destaque frente às outras enzimas, representando 65% do mercado mundial. As amilases representam importantes enzimas industriais e possuem aplicações em todos os processos que necessitam da hidrólise parcial ou completa do amido (SOUZA E MAGALHÃES, 2010), tais como produção de glicose para hidrolisar as macromoléculas constituintes do amido, nas indústrias de papel para proteger o mesmo contra danos mecânicos e melhoria do acabamento final, na indústria cervejeira para produção de cervejas claras, na indústria alimentícia para eliminar a turbidez produzida pelos amidos, entre outras aplicações nos mais diversos setores das indústrias (NOROUZIAN et al., 2006; OLIVEIRA, et al., 2010).

O Brasil, embora ainda importe a maior parte das enzimas que utiliza em diferentes setores industriais, revela grande potencial na produção de enzimas microbianas. Essa potencialidade é evidenciada pela grande diversidade biológica, ainda pouco explorada, que serviria como fonte para a obtenção de novos microrganismos produtores de enzimas de interesse industrial (MUSSATTO et. al., 2007; BON et al., 2008).

Os processos para produção de enzimas microbianas envolvem a fermentação submersa ou a fermentação no estado sólido, que diferem entre si por diveros fatores tais como indutor da produção da enzima, o microrganismo utilizado e as condições do processo. O substrato é um dos componentes de maior custo na produção de enzima, e alguns casos podem corresponder a até 75% dos custos do produto final. A otimização do meio de produção para obtenção do máximo de rendimento é uma tarefa complexa, porém muito importante para redução do custo do produto (SCHIMIDELL et al., 2001; DAMASO et al., 2012).

Vários resíduos agroindustriais ricos em amido têm sido usados como fontes alternativas de substratos para a produção de amilases devido à sua grande disponibilidade e por representar baixo valor comercial. Entre estes, tem-se a manipueira que apresenta uma composição química rica em macro e micronutrientes que revelam o potencial na utilização como substrato para a produção enzimas amilolíticas microbianas. O reaproveitamento deste resíduo na produção de enzimas mostra-se como uma solução eficiente associando sustentabilidade e economia com a redução dos custos de produção (WOICIECHOWSKI et al., 2013).

Sendo assim, nesse trabalho, investigou-se a possibilidade de obtenção de enzimas amilolíticas a partir da manipueira, um resíduo agrícola oriundo da produção de farinha de mandioca, rico em amido e na maioria das vezes descartado de forma incorreta no meio ambiente.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2178474 - ROBERTO RODRIGUES DE SOUZA
Interno - 2581604 - CRISTINA FERRAZ SILVA
Externo à Instituição - DIEGO DE FREITAS COELHO
Externo à Instituição - LUIZ FERNANDO ROMANHOLO FERREIRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2022 - UFRN v3.5.16 -r18154-6e174eae4e