UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LAYS GISELE SANTOS BOMFIM
26/01/2017 07:20


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LAYS GISELE SANTOS BOMFIM
DATA: 31/01/2017
HORA: 08:30
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU sala 27
TÍTULO: PAPEL DO TREM-1 NA LEISHMANIOSE VISCERAL.
PALAVRAS-CHAVES: Leishmania infantum. Leishmaniose visceral. Neutrófilos. TREM-1.
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

Triggering Receptor Expressed on Myeloid Cells-1 (TREM-1) é um receptor de superfície celular constitutivamente expresso em neutrófilos e monócitos e desempenha um papel fundamental na resposta imune inata, sendo capaz de amplificar e regular a resposta inflamatória. A forma solúvel do TREM-1 (sTREM-1) tem sido relatada em doenças como sepse e artrite reumatoide e atua como um inibidor da via TREM-1. A expressão do TREM-1 é maior mediante a exposição de células a produtos microbianos, sua ativação e expressão é sinérgica a ativação de TLR 2 e 4, que culmina na ativação de mecanismos microbicidas. A Leishmaniose Visceral (LV) é uma doença de infecção sistêmica que está associada a uma intensa resposta inflamatória. Uma vez que a via TREM-1 está associada a ativação de neutrófilos, células que constituem a primeira linha de defesa, o presente trabalho avaliou pela primeira vez o papel do TREM-1 na LV. Para isso, soros de pacientes com diferentes formas clínicas da LV foram coletados antes e após o tratamento parar mensurar os níveis séricos de sTREM-1 por ELISA. Além disso, neutrófilos de doadores humanos sadios foram purificados a partir de sangue periférico e infectados com L. infantum para avaliar a liberação do sTREM-1 no sobrenadante. Subsequentemente, foi avaliada a expressão de TREM-1 de superfície em neutrófilos infectados com L. infantum, bem como a expressão gênica de TREM-1, DAP12, IL-8 e TNF-α por PCR em Tempo Real. Pacientes com forma grave da LV apresentaram níveis séricos elevados de sTREM-1, e esta molécula foi fortemente associada com a gravidade da doença. A curva ROC cobre uma área (AUC) de 0,9256, o que significa que a probabilidade de um paciente com LV grave obter um valor acima de 120,3 pg/mL é de 92%. Os experimentos in vitro com neutrófilos mostraram uma associação entre a liberação de sTREM-1 e o aumento da carga parasitária de neutrófilos infectados com L. infantum. Foi observado que infecção por L. infantum altera a via TREM-1 em neutrófilos infectados, levando a um aumento na expressão gênica de TREM-1, DAP12, IL-8 e TNF-α, como também, uma redução de moléculas de TREM-1 de superfície após 3 horas de infecção. A partir desses resultados concluímos que a via do TREM-1 é modulada pela infecção de L. infantum e foi associada à gravidade da LV.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1070197 - CRISTIANE BANI CORREA
Externo ao Programa - 2191208 - NALU TEIXEIRA DE AGUIAR PERES
Interno - 285906 - ROQUE PACHECO DE ALMEIDA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5