UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 18 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: WADSON DE MENEZES SANTOS
18/01/2017 10:22


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: WADSON DE MENEZES SANTOS
DATA: 23/02/2017
HORA: 14:00
LOCAL: SALA 2 - PPGAGRI
TÍTULO: RESPOSTA AGRONÔMICA E VOLATILIZAÇÃO DA AMÔNIA EM FUNÇÃO DO USO DE FERTILIZANTES PASTILHADOS E CONVENCIONAIS NA CULTURA DO MILHO
PALAVRAS-CHAVES: Zea mays L., nitrogênio, perdas de N-NH3, fertilizantes nitrogenados, ureia pastilhada, sulfato de amônio.
PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

O nitrogênio (N) é o elemento mais requerido pela maioria das culturas, e o que proporciona os maiores rendimentos na cultura do milho. A fonte de N mais utilizada no mundo é a ureia, porém, esta fonte é a mais susceptível a perdas ambientais de N, sendo a principal delas a volatilização da amônia. O pastilhamento da ureia é uma tecnologia que permite a complexação com outros elementos, como enxofre e zinco, e visa diminuir as perdas de N, e consequentemente melhorar a eficiência agronômica das culturas. O objetivo deste trabalho foi avaliar a resposta da produtividade e da volatilização do N a diferentes fontes e doses de N, aplicado em cobertura, e avaliação da eficiência agronômica. As avaliações foram feitas nas condições das regiões do médio sertão e sul sergipano, em duas safras agrícolas (2014 e 2015). O delineamento experimental foi DBC com 3 repetições, em esquema de parcelas subdivididas com tratamento adicional. As parcelas foram compostas pelas doses: 75, 150 e 300 kg ha-1 de N, e as subparcelas por sete fertilizantes: ureia pastilhada pura (UP), ureia pastilhada com S elementar (UP+S), ureia pastilhada com sulfato de amônio (UP+SA), ureia pastilhada com sulfato de amônio e S elementar (UP+SA+S), ureia pastilhada com sulfato de amônio e sulfato de zinco (UP+SA+Zn), ureia perolada (UR), sulfato de amônio cristal (SA), e o tratamento adicional testemunha (TEST). Foram avaliados a produtividade, o estado nutricional em N e S, e a recomendação de doses de máxima eficiência econômica (DMEE). Em Nossa Senhora das Dores na safra de 2015, foram avaliados a volatilização da amônia nas subparcelas da dose de 150 kg ha-1 de N. A adubação nitrogenada proporcionou maiores teores de N e S foliares, e maior produtividade de grãos; estas variáveis aumentaram com o acréscimo das doses. O SA proporcionou os maiores teores de S foliar e melhor produtividade que a UR, UP e UP+S na média das safras em Umbaúba. O solo de Nossa Senhora das Dores forneceu 35,6 kg de N ha-1, e o de Umbaúba supriu 68,3 kg de N ha-1 ao milho, proporcionando produtividades de 2403 e 2943 kg ha-1, respectivamente. As DMEE para a UR foram 128 kg ha-1 de N em Nossa Senhora das Dores, e 190 kg ha-1 de N em Umbaúba, a dose indicada de SA é 119 kg ha-1 de N para ambos locais, sendo que este tratamento proporcionou as maiores rendas. O acréscimo na renda bruta em função das doses de N foi maior em Umbaúba. Na dose de 150 kg ha-1 de N, 92,5 % do total de N-NH3 perdido por volatilização ocorreu até o quinto dia após a fertilização. A UP+SA reduziu a volatilização da amônia, não diferindo estatisticamente do SA e TEST. O SA apresentou ainda produtividade superior ao tratamento UP+SA+S. O teor foliar de N correlacionou-se positivamente, enquanto a taxa de volatilização negativamente, com a produtividade de grãos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 579.662.146-72 - MARCELO FERREIRA FERNANDES
Externo à Instituição - INÁCIO DE BARROS
Externo à Instituição - ANDRÉ JÚLIO DE AMARAL

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16088-62c448d53e