UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 02 de Fevereiro de 2023

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ERONIDES SOARES BRAVO FILHO
18/01/2017 08:05


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ERONIDES SOARES BRAVO FILHO
DATA: 17/02/2017
HORA: 15:00
LOCAL: PRODEMA
TÍTULO: PROPAGAÇÃO E CONSERVAÇÃO EX SITU DE UMA ESPÉCIE DE CACTACEAE E ASPECTOS DA SUA CONSERVAÇÃO NA CAATINGA
PALAVRAS-CHAVES: Conservação. Dispersão. Endêmismo. Germinação in situ. Melocactus sergipensis
PÁGINAS: 72
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Botânica
SUBÁREA: Fisiologia Vegetal
ESPECIALIDADE: Reprodução Vegetal
RESUMO:

A família Cactaceae, é botanicamente distribuída em 127 gêneros e aproximadamente 1500 espécies, encontra-se subdividida em quatro Subfamílias, Maihuenoideae, Pereskeoideae, Opuntioideae e Cactoideae. Típicas do continente americano e distribuídas em uma ampla diversidade de clima, solo e ecossistemas. O gênero Melocactus conhecido por cabeça-de-frade é composto por 38 espécies, dispersas desde a América Central, Caribe, Andes, Amazônia e Nordeste do Brasil. A bioma de maior ocorrência é a Caatinga, particularidade que faz do Brasil o centro mundial de diversidade. O Melocactus sergipensis foi descoberto em 2014 no estado de Sergipe e representa a única espécie da família cactácea endêmica do Estado com status Criticamente Ameaçada de Extinção. O objetivo desta pesquisa foi estabelecer um protocolo de propagação sexuada, assexuada e aclimatização para a conservação ex situ da espécie de M. sergipensis. Os experimentos foram instalados em Delineamento Inteiramente Casualizado, com três tratamento (controle, sementes embebidas por 6 h e sementes embebidas por 6 h em solução de água + 2 mg L-1 de giberelina), vinte repetições e inseridas duas sementes no experimento in vitro e 10 no experimento em condição de campo. Na aclimatização foi utilizado cinco tratamentos (solo da localidade ocorrência da espécie; Aquidabã; terra vegetal; areia lavada + terra vegetal na proporção 1:1), cinco repetições, com cinco plantas cada. Foi avaliado a porcentagem de germinação, índice de velocidade de germinação, percentual de sobrevivência, comprimento da parte aérea, diâmetro da aérea, peso da matéria viva e comprimento da radícula. Para o experimental de micropropagação o esquema fatorial 4 x 3 (concentrações de BAP x tipo de segmento caulinar– basal, mediano e apical), oito repetições e em cada unidade experimental foi inserido um explante. Realizou-se a análise de variância e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de significância. A embebição por 6 h com e sem giberelina a 2 mg L-1 incrementou significativamente a germinação in vitro. A germinação em condição de campo não diferenciou significativamente e apresentou germinação acima de 80% em todos os tratamentos. Na fase de aclimatização o índice de sobrevivência vario de 88% (terra vegetal + areia lavava 1:1) para 100% (solo de Simão Dias), o substrato da propriedade privada no geral apresentou os melhores resultados.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 388007 - ADAUTO DE SOUZA RIBEIRO
Interno - 2222763 - MARIA JOSE NASCIMENTO SOARES
Interno - 1316620 - ALCEU PEDROTTI
Externo ao Programa - 1140167 - PAULO AUGUSTO ALMEIDA SANTOS
Externo ao Programa - 2207731 - CARLOS DIAS DA SILVA JUNIOR

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2023 - UFRN v3.5.16 -r18291-d8b5d91c4a