UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: DJANE ARAÚJO OLIVEIRA
17/01/2017 14:30


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DJANE ARAÚJO OLIVEIRA
DATA: 20/01/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 01 do Polo de Gestão
TÍTULO: Frequência da Deficiência da Glicose-6-Fosfato Desidrogenase em Recém-Nascidos do Estado de Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: Eritroenzimopatias, G6PD, anemia hemolítica, triagem neonatal
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD) é uma enzima fundamental no metabolismo eritrocitário, que protege as hemácias contra agentes oxidantes. A deficiência de G6PD é uma doença genética hereditária ligada ao cromossomo X, sendo considerada a eritroenzimopatia mais comum em todo o mundo. As manifestações clínicas ocorrem quando os portadores são expostos a fatores oxidantes como alguns medicamentos, infecções e alimentos, e vão desde leve icterícia neonatal até a anemia hemolítica aguda. Esta deficiência não possui uma terapêutica específica, mas os sintomas podem ser evitados com medidas profiláticas que impeçam o uso de algumas drogas indutoras de hemólise, e alimentos como o feijão de fava. A frequência da deficiência de G6PD no Brasil não está totalmente estabelecida, mas estima-se que pode atingir até 7% da população, e no estado de Sergipe esses parâmetros ainda não foram estabelecidos. O presente estudo tem como objetivo detectar a frequência da deficiência da glicose-6-fosfato desidrogenase em recém-nascidos do estado de Sergipe, participantes do Programa Nacional de Triagem Neonatal, que visa estabelecer diagnóstico precoce, tratamento e acompanhamento adequado, minimizando as sequelas acarretadas por esta e outras doenças em recém-nascidos. Para este fim, estão sendo analisadas amostras de sangue de recém-nascidos colhidos por meio de punção no calcanhar com armazenamento em papel de filtro, de 3 a 7 dias após o nascimento, de todo o estado de Sergipe. Inicialmente foi realizada a padronização da metodologia, dividindo-se as amostras em 5 grupos e analisadas com modificações na técnica para obtenção de resultados mais precisos. A dosagem da glicose-6-fosfato desidrogenase foi realizada por meio da técnica de fluorimetria por tempo resolvido (kit Neonatal G6PD - Perkin Elmer, Turku, Finlândia). As amostras positivas de recém-nascidos serão confirmadas após nova coleta, utilizando a técnica de Brewer, também será realizado hemograma, contagem de reticulócitos e dosagem de bilirrubinas. A investigação da deficiência de G6PD também será realizada nos familiares dos recém-nascidos, e os casos confirmados serão acompanhados no ambulatório de Hematologia Pediátrica do HU/UFS.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1718309 - DULCE MARTA SCHIMIEGUEL MASCARENHAS LIMA
Interno - 1964297 - CRISTIANI ISABEL BANDERO WALKER
Externo ao Programa - 2335200 - CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5