UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA CARLA FERREIRA SILVA DOS SANTOS
18/11/2016 11:35


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA CARLA FERREIRA SILVA DOS SANTOS
DATA: 07/12/2016
HORA: 08:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: Validação do diagnóstico de enfermagem “Controle emocional instável” nas vítimas de trauma cranioencefálico atendidas ambulatorialmente
PALAVRAS-CHAVES: Traumatismos craniocerebrais. Emoções. Diagnóstico de enfermagem. Estudos de validação.
PÁGINAS: 67
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

As principais sequelas advindas do trauma cranioencefálico (TCE) podem ser divididas em três categorias: físicas, cognitivas e comportamentais/emocionais. As físicas são diversificadas e podem ser visuais, motoras, entre outras; já as cognitivas incluem diminuição da memória, dificuldades de aprendizagem, entre outras; e as comportamentais/emocionais são a perda de autoconfiança, depressão, ansiedade, dificuldade de autocontrole, além de irritabilidade e agressão. O estudo objetivou avaliar a validade de conteúdo e clínica do diagnóstico de enfermagem “Controle emocional instável” nas vítimas de trauma cranioencefálico atendidas ambulatorialmente utilizando-se o modelo de Fehring (1987) para a validação. A pesquisa foi desenvolvida em duas etapas: validação de conteúdo e validação clínica. Participaram da validação de conteúdo 31 expertos que responderam a um instrumento que continha dados de identificação profissional e de validação do diagnóstico “Controle emocional instável”. Quanto à estrutura taxonômica maioria dos expertos considerou o domínio 05 (Percepção/cognição), a Classe 4 (Cognição) e o enunciado (Controle emocional instável) adequados ao diagnóstico. Foram sugeridas modificações na definição atual do diagnóstico de enfermagem em estudo. Duas características definidoras foram consideradas principais (afastamento da situação social e expressão de emoções incoerentes com o fator desencadeador) e 11 secundárias (afastamento da situação profissional, ausência de contato com o olhar, choro excessivo sem sentir tristeza, choro incontrolável, choro involuntário, dificuldade de usar expressões faciais, embaraço relativo à expressão das emoções, lágrimas, risadas em excesso sem sentir felicidade, risadas incontroláveis e risadas involuntárias. O escore total do diagnóstico “Controle emocional instável” foi de 0,69. A etapa de validação clínica foi constituída por 40 pacientes em dois grupos distintos de TCE leve (N=20) e TCE moderado (N=20). Para comparação de proporções entre grupos foi utilizado o teste Z (dois grupos) e com correção de Bonferroni (quando 3 grupos). As características consideradas principais para o grupo de TCE leve foram: afastamento da situação profissional, afastamento da situação social, embaraço relativo à expressão das emoções, expressão de emoções incoerentes com o fator desencadeador. Já os secundários: ausência no contato pelo olhar, choro excessivo sem sentir tristeza, choro incontrolável, choro involuntário, dificuldade de usar expressões faciais e lágrimas e as irrelevantes concerne a risada em excesso sem sentir felicidade, risadas incontroláveis e risadas involuntárias. Quanto ao grupo de TCE moderado foram identificadas as seguintes características principais: afastamento da situação profissional, afastamento da situação social, choro excessivo sem sentir tristeza, embaraço relativo à expressão das emoções, expressão de emoções incoerentes com o fator desencadeador. Sete características definidoras foram consideradas secundárias: ausência no contato pelo olhar, choro incontrolável, choro involuntário, dificuldade de usar expressões faciais, lágrimas, risadas incontroláveis e risadas involuntárias. Tem se como escore total para o grupo de TCE leve e TCE moderado respectivamente: 0,74 e 0,74 considerado validado para a Taxonomia da NANDA-I. Conclui-se que são evidências fortes do diagnóstico “Controle emocional instável” o afastamento da situação profissional, afastamento da situação social, embaraço relativo à expressão das emoções, expressão de emoções incoerentes com o fator desencadeador.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2027262 - ANNY GISELLY MILHOME DA COSTA FARRE
Externo ao Programa - 1738313 - CARLA KALLINE ALVES CARTAXO FREITAS
Interno - 1315121 - DIVALDO PEREIRA DE LYRA JUNIOR

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12692-c69972fb69