UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: JOSÉ RONALDO ALVES DOS SANTOS
21/10/2016 13:45


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOSÉ RONALDO ALVES DOS SANTOS
DATA: 31/10/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Reunião dos Professores do DMO, Departamento de Morfologia.
TÍTULO: Diabetes mellitus gestacional:Alterações histopatológicas em placentas humanas.
PALAVRAS-CHAVES: Diabetes Mellitus, Gestação, Placenta, Análise Histológica.
PÁGINAS: 96
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

O Diabetes Mellitus é um problema de saúde pública mundial. Estima-se que existam mais de 171 milhões de pessoas com diabetes no mundo, sendo que projeções da Organização Mundial de Saúde para 2030 sugerem que esse número possa chegar a 366 milhões de pessoas. Pesquisas tem demonstrado que o Diabetes Mellitus Gestacional, pode propiciar ou agravar alterações patológicas, com possibilidades de interferir no equilíbrio sistêmico tanto da gestante quanto do feto e que os danos na placenta podem ser responsáveis pela alta incidência de complicações materno-fetais. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi determinar as alterações histopatológicas em placentas humanas, bem como descrever às condições clínicas de parturientes diagnosticadas com ou sem Diabetes Mellitus Gestacional e seus respectivos recém-nascidos, realizou-se, portanto, um estudo histopatológico e descritivo, de gestantes (n=16/grupo) atendidas no período autorizado de junho de 2015 a fevereiro de 2016 na Maternidade Nossa Senhora de Lurdes. Foi realizada analise microscópia de placentas oriundas de gestantes em condições normais e placentas de gestantes em condições hiperglicêmicas, bem como analisado as condições clínicas dessas parturientes. Entre as variáveis maternas, a média do peso das parturientes se mostrou diferente em relação as normoglicêmicas (73,0 kg ± 16,5) e as diabeticas gestacionais (79,0 kg ± 16,8). A média de semanas gestacionais mostrou-se diferentes em grupos, (37,7 semanas ± 3,37) para o grupo normoglicemicos e (36,6 semanas ± 1,62) para as parturrientes diabéticas gestacionais. Ao analisar-se as variáveis fetais, a estatura dos recém-nascidos se mostrou diferente em relação as pacientes normoglicêmicas (49,0 cm ± 2,40) e as diabéticas gestacionais 45,8 cm ± 5,08), seguido do perímetro torácico, no qual observou-se nas normoglicêmicas (34,0 cm ± 1,69) e nas diabéticas gestacionais (32,6 cm ± 1,16) respectivamente. Constatou-se ao avaliar as variáveis placentárias que o tamanho da placenta das parturientes normoglicêmicas foi significativamente maior (64,3 cm ± 9,53) quando comparado a gestantes diabéticas gestacionais (60,3 cm ± 11,3). Observou-se ainda relação quanto ao peso das placentas das parturientes normoglicêmicas (0,74 g ± 0,11) quando comparado as diabéticas gestacionais (0,64 g ± 0,16). As análises das laminas histopatológicas demonstraram que houve diferenças estruturais entre os grupos normoglicêmicos e diabetes gestacional. Havendo-se observado que para os grupos obtidos no período de 9 meses, foram determinadas relações significativas entre algumas variáveis, sugere-se a continuidade da investigação por tempo prolongado com maior número de parturientes de modo a poder-se relacionar mais contundentemente os fatores relacionados ás alterações placentárias influenciadas pela hiperglicêmia e a patogênese da doença e a sua relação com os agravantes materno-fetais.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1893534 - ADRIANA ANDRADE CARVALHO
Externo ao Programa - 1738313 - CARLA KALLINE ALVES CARTAXO FREITAS
Presidente - 1690759 - EMERSON TICONA FIORETTO
Externo ao Programa - 2660317 - JOÃO CARLOS CARVALHO QUEIROZ
Externo ao Programa - 1541701 - LIUDMILA MIYAR OTERO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12692-c69972fb69